MPAM lança programa de enfretamento ao assédio no ambiente de trabalho

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Em cerimônia virtual realizada por meio da plataforma MsTeams, foi lançado hoje, 03/05, o Programa Institucional de Conscientização, Prevenção e Enfrentamento ao Assédio Moral e Sexual no âmbito do Ministério Público do Amazonas (MPAM). O evento contou com a participação da Procuradora Regional do Trabalho, Ludimila Reis Brito Lopes, que palestrou sobre o combate ao assédio no ambiente de trabalho. Na abertura do evento, o Procurador-Geral de Justiça do Estado do Amazonas (PGJ), Alberto Rodrigues Nascimento Júnior, assinou o Ato PGJ nº113, de 03 de maio de 2021, que regulamenta o programa no parquet amazonense.
“Alegro-me por ser porta-voz dessa ação multidisciplinar que resultou na proposta de instituição do programa e parabenizo os membros do Grupo de Trabalho liderado pela Promotora de Justiça Carla Guedes, pelo brilhante trabalho realizado. Embora a importância do programa seja óbvia, sabemos que o óbvio é a verdade mais difícil de ser vista. Entretanto, nosso compromisso é com a verdade e com a justiça, por isso, a partir de hoje, contamos com o apoio e colaboração de todos para que consigamos expurgar essas práticas do ambiente ministerial e estabelecer, de fato, a cultura do respeito em nossa instituição”, declarou o PGJ.

Na cerimônia, foi apresentado o vídeo #AssédioNão, produzido pela Assessoria de Comunicação do MPAM, como parte da campanha de sensibilização a ser conduzida em âmbito interno ministerial. Além do vídeo, a Ascom também produziu uma cartilha em formato virtual, já disponível ao público, visando estimular a apresentação de relatos e denúncias, o que poderá ser feito de forma segura, mediante preenchimento de formulário eletrônico especialmente desenvolvido para isso. O formulário pode ser acessado por meio do link…

Sobre a origem do assédio

Em sua palestra, a Procuradora Regional do Trabalho, Ludmila Reis Brito Lopes, alertou para a importância de se refletir sobre a questão do assédio moral e sexual, considerando as raízes socioculturais do problema em uma sociedade patriarcal, machista, racista e classista, que relega a mulher à condição de subalternidade e objetificação. “Não conseguiremos vencer o problema do assédio enquanto não compreendermos essa lógica que atua em todos os espaços. Sabemos que o assédio pode ser praticado por mulheres contra homens, mas esse número é mínimo. O assédio é uma importunação, para retaliar a mulher por invadir um espaço que não lhe pertence, especialmente, quando se dá mediante intimidação, para transformar o espaço profissional em um ambiente hostil para a mulher. Isso é muito mais comum do que se imagina”, aponta Ludimila Reis Brito Lopes.

Para a Procuradora Regional do Trabalho o assédio moral e sexual possui recorte de raça e de classe, o que exige, para o seu enfrentamento, um trabalho de prevenção que fomente a cultura do respeito no ambiente de trabalho, com atenção especial em relação aos profissionais que atuam como colaboradores. “Terceirizados e estagiários são a parte mais frágil da relação de trabalho em órgãos públicos e por isso, são alvos mais comuns do assédio e, por serem pessoas de poder econômico inferior, não denunciam. Essa não é uma realidade que se desconheça, mas, hoje, não podemos mais compactuar com isso!”, reiterou.

MPAM e parceiros contra o assédio

Participaram do lançamento do Programa os Procuradores de Justiça Nicolau Libório, Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Jurídicos e Institucionais; Silvana Nobre de Lima Cabral, Coordenadora do CAO-PDC; Públio Caio Bessa Cyrino, Coordenador do CAO- CRIMO; Mauro Roberto Veras Bezerra, Coordenador do CAO-PE; os Promotores de Justiça Geber Mafra Rocha, Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Administrativos; Lílian Stone, Secretária-Geral do MPAM; Darlan Benevides, Chefe do Ceaf; Igor Starling, Coordenador do CAO CRIM; Romina Carvalho, Coordenadora do CAOP-IJ; Jorge Wilson Lopes Cavalcante, Coordenador CAO-Cível; Renata Cintrão, Delisa Ferreira, e Carla Guedes, do Grupo de Trabalho de implantação do Programa #AssédioNão.

Também prestigiaram a instituição do programa o Defensor Público-Geral, Ricardo Queiroz de Paiva; a Presidente da OAB/AM, Grace Benayon, e o Diretor de Saúde e Qualidade de Vida da Ufam, professor Ronaldo Bastos.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta