Henrique Oliveira é candidatíssimo a prefeito de Manaus, em qualquer cenário

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

henrique oliveira com josé melo

Nos últimos dias, diferentes veículos de comunicação têm publicado versões sobre o futuro do vice-governador Henrique Oliveira. O blog se preocupou, então, em ouvir pessoas verdadeiramente ligadas a ele para saber a realidade em torno dos boatos. E ouviu agora há pouco de um interlocutor muito próximo do político a seguinte afirmação: “Quem afirma que ele vai largar o cargo de vice-governador para ser vice na chapa do prefeito Artur Neto é um sem-noção. É um brincante. A candidatura a prefeito é uma possibilidade real”.

O blog ouviu três pessoas muito próximas a Henrique. Todas elas afirmaram que ele deve mesmo ser candidato a prefeito. E a razão é muito simples: ninguém sabe exatamente qual o futuro do governador José Melo. Se ele permanecer no governo até o final e retribuir o apoio de Omar Aziz, o vice-governador estará fora do páreo para disputar o governo. Se Melo sair para se candidatar ao Senado, Henrique assume o governo e é automaticamente candidato à reeleição.

Em qualquer dos dois cenários a candidatura à prefeitura é essencial. Se não vencer a eleição, Henrique terá fortalecido o nome para 2018. Ele entende que é o candidato com mais chances de ir para o segundo turno com Artur. E acha que a oposição se une automaticamente em torno dele se isso acontecer.  Daí ter aberto conversas com todas as correntes políticas.

Um dos principais incentivadores da candidatura de Henrique, nos bastidores, é o presidente da Câmara Municipal de Manaus, Wilker Barreto. Apesar de alinhado politicamente com Artur, ele é amigo pessoal do vice-governador e vislumbra a chance de ser o seu vice numa campanha com amplas possibilidades de vitória.

Wilker já percebeu que não tem nenhuma chance de ser vice de Artur e por isso trabalha veladamente por Henrique. A ideia de ver o vice-governador na prefeitura também não desagrada o próprio Omar, que dessa forma teria menos um concorrente em 2018. E a candidatura ainda interessa a várias outras lideranças políticas com interesse em 2018.

“A viabilidade é grande. Não é uma aventura”, diz uma das fontes ouvidas pelo blog.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta