Cesta básica está mais barata em Manaus que no Rio de Janeiro e São Paulo, mostra levantamento nacional

Em relação a abril de 2024, o preço médio da cesta de consumo básica de alimentos de maio/24 aumentou em quatro das oito capitais analisadas pela plataforma Cesta de Consumo HORUS & FGV IBRE. Rio de Janeiro continua sendo a cidade detentora da cesta básica mais cara (R$ 1.031,39), seguida por São Paulo (R$ 917,87) e Fortaleza (R$ 819,78). Em contrapartida, Belo Horizonte (R$ 639,97), Manaus (R$ 679,59) e Salvador (R$ 778,49) foram as capitais que registraram os menores custos de aquisição para maio.

As cidades que registraram as maiores variações de preços foram Rio de Janeiro e São Paulo, da ordem de 6,5% e 3,7%, respectivamente. Belo Horizonte e Brasília foram as que apresentaram as menores variações nos preços médios, com -4,5% e -3,0%, respectivamente.

Tabela 1 – Valores da Cesta de Consumo básica por capital em maio/24

Cesta Básica
CapitalValor Médio Abr/24 (R$)Valor Médio Mai/24(R$)Variação
Rio de Janeiro968,891.031,396,5%
São Paulo885,39917,873,7%
Fortaleza802,20819,782,2%
Curitiba778,95786,661,0%
Salvador792,37778,49-1,8%
Manaus697,93679,59-2,6%
Brasília827,79802,71-3,0%
Belo Horizonte670,44639,97-4,5%

Dos 18 gêneros alimentícios da cesta básica, legumes, manteiga, leite UHT e outras categorias registraram alta nos preços em sete das oito capitais abrangidas pela pesquisa.

Tabela 2 – Produtos com maiores aumento de preços médios da cesta de consumo básica nas capitais em maio/24

Var (%) no mês
CapitalLegumesManteigaLeite UHTCafé em Pó e em GrãosFarinha de Mandioca
Belo Horizonte2,3%1,1%2,2%3,1%0,5%
Brasília7,0%3,8%3,1%1,9%1,9%
Curitiba6,5%1,6%0,5%3,0%2,4%
Fortaleza8,1%0,6%0,9%1,2%0,3%
Manaus-2,0%-2,3%-1,4%-3,0%-1,7%
Rio de Janeiro5,5%3,9%7,9%5,2%6,4%
Salvador9,7%0,5%0,4%0,4%0,1%
São Paulo9,3%2,4%3,9%5,0%0,3%
Var (%) no mês
CapitalFrangoMargarinaAçúcarFubá e Farinhas de MilhoMassas Alimentícias Secas
Belo Horizonte-0,7%2,4%0,4%-2,5%-0,6%
Brasília1,2%3,7%1,6%2,5%0,9%
Curitiba0,1%-0,8%-1,9%0,1%-0,9%
Fortaleza1,8%1,8%0,5%2,0%1,4%
Manaus0,5%-3,7%1,1%-6,1%-1,7%
Rio de Janeiro4,0%6,6%3,8%4,7%3,0%
Salvador0,4%1,5%-0,9%1,8%0,5%
São Paulo5,0%1,8%1,3%1,0%1,4%

Com o fim da safra de alguns gêneros alimentícios, somados às recentes variações climáticas nas regiões produtoras, houve a consequente redução na oferta de produtos como legumes e café para o varejo, fato que gerou pressão sobre os preços. Além disso, com a queda sistemática na produção de leite no Brasil, o preço para o consumidor tem sido onerado, refletindo, consequentemente, em toda a cadeia de derivados.

Com relação a carne bovina, feijão, ovos, dentre outros itens da cesta básica, para o mês de maio/2024, houve redução nos preços em boa parte das capitais compreendida pela pesquisa, conforme retratado na tabela a seguir.

Tabela 3 – Produtos com maiores quedas nos preços médios da cesta de consumo básica na maioria das capitais em maio/24

CapitalFeijãoOvosBovinoÓleoFrutas
Belo Horizonte-3,2%-0,1%-0,1%1,5%4,6%
Brasília-2,7%0,9%-1,7%2,5%-5,2%
Curitiba-10,2%-0,6%1,2%-0,4%-3,7%
Fortaleza0,9%-1,8%0,3%-0,1%-0,4%
Manaus-6,9%-0,7%-1,1%-0,8%-4,4%
Rio de Janeiro-0,7%0,9%-5,3%1,4%7,4%
Salvador-3,0%-1,0%-0,3%-1,8%0,2%
São Paulo-1,7%1,0%2,0%0,2%3,0%

A considerar os últimos seis meses, em maio/24, a variação acumulada nos preços médios da cesta básica nas capitais analisadas, foi acrescida por margens entre 1,5% e 15,1%, com percentuais distintos atribuídos à cada cidade, conforme demonstrado na tabela a seguir.

Tabela 4 – Valores da cesta de consumo básica (R$) e variação (%) acumulada nos últimos 6 meses

Capitaldez/23(R$)jan/24(R$)fev/24(R$)mar/24(R$)abr/24(R$)mai/24(R$)Variação6 meses
São Paulo797,66844,39908,85894,52885,39917,8715,1%
Fortaleza729,01756,68785,16808,79802,20819,7812,5%
Salvador692,99735,92767,11793,75792,37778,4912,3%
Brasília715,50765,49820,67838,57827,79802,7112,2%
Curitiba711,51725,21769,90792,14778,95786,6610,6%
Rio de Janeiro946,00945,511010,371004,10968,891031,399,0%
Belo Horizonte626,29661,30679,96683,68670,44639,972,2%
Manaus669,79679,39707,13702,68697,93679,591,5%

A Tabela 5, a seguir, retrata os gêneros alimentícios da cesta básica que registraram as maiores variações em seus preços médios, tendo como base o retrospecto de cada produto nos últimos seis meses pesquisados.

Tabela 5 – Alimentos da cesta básica que mais subiram de preço nos últimos 6 meses.

Var (%) no ano
CapitalLegumesFrutasFrangoCafé em Pó e em GrãosArroz
Belo Horizonte62,9%40,1%4,8%7,1%3,8%
Brasília75,7%55,9%7,1%5,1%9,7%
Curitiba64,9%18,2%8,7%8,6%8,4%
Fortaleza73,1%18,6%6,6%5,9%6,4%
Manaus26,8%1,1%7,8%2,3%2,7%
Rio de Janeiro48,1%24,3%8,1%7,6%7,8%
Salvador60,5%20,5%7,9%5,4%4,3%
São Paulo51,4%24,4%6,1%9,3%6,8%
       

A considerar a cesta de consumo ampliada, que inclui bebidas e produtos de higiene e limpeza, além de alimentos, em maio/24, houve aumento no preço médio da cesta em cinco das oito capitais analisadas, variando entre 1,0% e 7,6%. Rio de Janeiro (R$ 2.282,90) e São Paulo (R$ 2.068,00) continuam a ser as cidades que apresentam os preços médios de aquisição mais onerosos para a cesta ampliada. Já Manaus e Belo Horizonte foram as capitais que tiveram os menores preços da cesta ampliada, sendo R$ 1.459,94 e R$ 1.636,53 respectivamente.

O comportamento da cesta de consumo ampliada seguiu a tendência da cesta básica, sugerindo que o movimento nos preços afetou não somente os alimentos básicos, mas demais produtos frequentemente presentes nos carrinhos de compras do consumidor.

Tabela 6 – Valores da cesta de consumo ampliada por capital em maio/24

Cesta Ampliada (R$)
CapitalValor Médio Mar/24Valor Médio Abr/24Variação
Rio de JaneiroR$ 2.120,82R$ 2.282,907,6%
São PauloR$ 1.971,50R$ 2.068,004,9%
FortalezaR$ 1.759,27R$ 1.805,702,6%
BrasíliaR$ 1.907,50R$ 1.930,121,2%
CuritibaR$ 1.752,43R$ 1.769,301,0%
SalvadorR$ 1.763,36R$ 1.714,53-2,8%
Belo HorizonteR$ 1.684,15R$ 1.636,53-2,8%
ManausR$ 1.507,71R$ 1.459,94-3,2%

Dos 33 produtos da cesta ampliada, apenas azeite registrou aumento no preço em todas as capitais.  

Var (%) no mês
CapitalAzeiteChocolateMassas InstantâneasVerdurasAchocolatado / Modificador
Belo Horizonte1,6%0,8%0,7%1,8%0,8%
Brasília2,7%1,8%3,6%2,8%6,0%
Curitiba2,7%1,6%0,2%1,5%3,2%
Fortaleza3,3%3,7%2,0%1,1%3,1%
Manaus1,0%-2,5%-1,9%-2,0%-1,6%
Rio de Janeiro3,7%6,2%1,8%2,0%6,3%
Salvador2,2%2,3%1,4%0,2%1,9%
São Paulo4,5%3,1%2,8%1,6%1,1%
       

Tabela 7 – Produtos com maiores aumento de preços médios na cesta ampliada em maio/24

Var (%) no mês
CapitalBatata CongeladaSuco ProntoCervejaVinhoAmaciantes para Roupas
Belo Horizonte0,1%2,3%1,0%1,3%0,5%
Brasília3,3%2,8%2,2%2,4%2,8%
Curitiba1,8%2,2%1,7%1,4%0,3%
Fortaleza1,6%2,7%0,7%1,7%0,3%
Manaus-1,6%-0,3%-1,3%1,1%-1,4%
Rio de Janeiro4,4%5,2%2,1%2,4%3,8%
Salvador1,7%0,6%0,3%-3,4%-2,1%
São Paulo0,9%2,8%3,0%3,4%3,0%
      
       

O aumento no preço médio da cesta básica na maioria das capitais em maio é reflexo das adversidades climáticas que afetam estados que são grandes produtores de legumes e grãos importantes na alimentação, afetando, especialmente, os consumidores de mais baixa renda, que gastam a maior parte de seu orçamento doméstico com alimentação.

Sobre a Cesta de Consumo HORUS & FGV IBRE

A HORUS Inteligência de Mercado, marca do ecossistema Neogrid (https://www.ehorus.com.br/) e o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas – FGV IBRE (https://portalibre.fgv.br/) se uniram para lançar a plataforma Cesta de Consumo. O serviço monitora a variação de preço de duas cestas de consumo típicas brasileiras pela análise da leitura mensal de mais de 35 milhões de notas fiscais: a Cesta de Consumo Básica, que conta com 22 alimentos básicos com maior presença nas compras do shopper, e a Cesta de Consumo Ampliada, contendo mais de 50 produtos de consumo, incluindo bebidas e itens de limpeza, higiene e beleza.

A plataforma, que pode ser acessada no link https://cestaconsumo.ehorus.com.br/ monitora a variação e o comportamento dos preços nas oito maiores capitais brasileiras em população – Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, e os produtos e quantidades analisados variam conforme os hábitos de consumo locais.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta