As boas risadas que dei nos bastidores do Fala, Governador!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

20130319195228ormando

Meu amigo Thiago Caldeira, que vocês conhecem mais como Abdias, o Cabucão, me procurou hoje para me vender uma mesa do show que vai fazer sábado, no bar Corsário, na avenida do Turismo. Questionei o gajo: “Tu estás precisando vender de porta em porta, mesmo depois do sucesso daquele vídeo?”. E ele, sem perder o rebolado: “Claro que não, meu cumpadi. Essa eu fiz questão de reservar pro sinhô em homenagem aos bons tempos de Fala,Governador!”. Dei uma risada, mas aproveitei para lembrar alguns causos hilários dos bastidores daquele programa.

Causo 1 – O radislista Ormando Barbosa, um dos protagonistas dos momentos mais hilários, posicionava-se na porta do estúdio, enquanto o governador Eduardo Braga conduzia o programa. Um prefeito do interior chega, esbaforido.

– Amigo, preciso participar do programa. Com quem eu falo?

– Com o Hiel, chefe da Agecom.

– E onde ele está?

– Ali na Infraero.

– Infraero? No aeroporto?

– Não, naquela sala ali.

– E a Infraero funciona lá?

– Não, meu parceiro, é que naquela sala só tem mala. (risada geral)

Causo 2 – Em cada programa, um time de radialistas se revezava no início, dando notícias do momento. Faziam isso descontraidamente. Num sábado, pedi que gastassem mais tempo, porque o governador se atrasara. Deu-se, então, o seguinte e insólito papo:

Jackson Nascimento – Eu gostaria aqui de parabenizar meu amigo Ormando Barbosa, pelo seu noivado.

Abdias – E ele tá noivo, é?

Ormando – É. Encontrei alguém que me ama.

Abdias – E quem é o cara? (Rapidamente, pedi que colocassem uma música, vendo que ninguém tinha condições de falar)

Ormando engoliu seco, saiu batido e desligou o telefone. Só três meses depois voltou a falar com Abdias. Em tempo: ele se casou um mês depois, com uma mulher, claro.

Causo 3 – O governador Eduardo Braga chega animado porque inaugurara na véspera mais uma etapa do Prosamim. Sabendo que o radialista Eduardo Silva morava nas proximidades da obra, pergunta na lata:

– Dudu, meu xará, gostou da obra?

– Adorei, diz o Silva com aquela voz empostada de Jornal da Manhã.

– Agora você tem a chance de entrar em forma caminhando naquele calçadão bacana, né?

– Claro. Já me sinto lá.

Foi quando Petro Velho, que apresentava o programa junto com Abdias, atalhou:

– O problema é que o sinhô fez um bar no finar da carçada, chefe. Num adianta nada andar duas léguas e depois tomar cinco corotes. (Pano rapidíssimo)

Depois conto mais.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta