Virgílio, o discurso imortal

Por Edilson Martins*

No dia 31 de março – ironia perversa da vida – foi lembrado o falecimento de Artur Virgílio Filho, ocorrido nesse dia em 1987.

Artur Virgílio Filho foi senador, líder do PTB no Congresso e vice-líder do Bloco de Oposição à ditadura.

Pronunciou o discurso histórico, no plenário do Senado em 1965, no dia seguinte à decretação do AI – 2, que extinguiu os partidos, cassou a eleição presidencial, e impôs, goela à dentro, as duas agremiações, Arena e MDB.

“- Depois de muito recuar, chegou a hora de este Congresso se impor.

Chegou a hora de este Congresso ser digno da representação que ele encarna, de dizer a esta nação que, se ele cedeu, que, se ele recuou, não cederá nem recuará mais.

Que nos fechem hoje, mas com o povo que nos assiste ao nosso lado; e não nos fechem amanhã, ingloriamente, com o aplauso do povo brasileiro, como aconteceu em 1937.”

Uma longa mortalha de obscurantismo e terror, onde inclusive ele seria cassado mais tarde, pelo AI-5 em 1969, impôs uma noite que se estenderia por 21 anos.

Artur Virgílio Neto, atual prefeito de Manaus, deve certamente ter muito orgulho desse pai.

*O autor é jornalista

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

LEAVE A REPLY