Vamos virar o jogo no interior

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Por Coronel Menezes*

Essa semana estive em Anamã, Beruri, Codajás e Anori, foi uma festa em todas as cidades, a recepção foi surpreendente pelo seu entusiasmo e aderência, o envolvimento voluntário das pessoas me fazem acreditar com racionalidade, que o Presidente Bolsonaro irá reverter a votação que obteve em 2018 e triunfará no interior de forma contundente, com autoridade de quem tem feito muito pelo nosso estado e pelo Brasil.
O Amazonas, apesar de grande parte da mídia insistir nas narrativas falsas, tem sido contemplado com um programa de benefícios que finalmente estão encontrando ressonância no interior do nosso estado, as pessoas simples, humildes, aquelas menos favorecidas e formam a grande massa de eleitores, perceberam que o governo do Presidente Bolsonaro faz um trabalho de inclusão social e desenvolvimento econômico, com seriedade e tendo um olhar voltado para o futuro, um projeto de estado e não de governo, tudo sendo realizado com um objetivo definido: melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Vejam abaixo alguns dos programas implementados pelo governo federal:

–       Saúde na Hora – Mais de 351 mil pessoas beneficiadas

–       Criança Feliz – Mais de 17 mil crianças e gestantes beneficiadas

–       Unidades Habitacionais – Mais de 2 mil unidades entregues (Faixa 1 + FGTS)

–       Alunos Conectados – Mais conectividade para estudantes de universidades e institutos federais

–       Auxílio Emergencial, fundamental durante a pandemia

–       Bolsa Família, que passará a se chamar Auxílio Brasil e será aprimorado nos seus valores

–       Caminho da Escola – MEC entrega mais de 5,9 mil ônibus escolares

–       Casa Verde e Amarela

–       Programa Casa Feliz

–       Educação especial – Investimento de R$ 354 milhões para as salas de recursos

–       Entrega de moradias no Amazonas

O Amazonas acordou por inteiro, hoje não apenas Manaus conhece e respeita o trabalho feito pelo Governo Federal nestes últimos dois anos, o nosso interior parece querer finalmente libertar-se desta verdadeira armadilha que caiu nestes últimos 40 anos, onde ficou abandonado a própria sorte. Nosso potencial é gigantesco, do tamanho do nosso território, nesta jornada ouvi que Anamã quer mudar de sede, precisa transferir a cidade para uma área onde não alague, essa reivindicação é antiga, assim como o problema, nada foi feito e as pessoas sofrem durante a cheia. Beruri, é grande produtor de castanha, mas, a sazonalidade e a falta de uma estratégia definida para sua exploração o ano inteiro, faz com que o município não desenvolva. A recepção que promoveram para a minha chegada foi impressionante, me deixou sensibilizado pelo carinho e entusiasmo.

Em Codajás conversei com lideranças politicas e empresariais, a cidade é organizada, promissora, com excelentes vias, produz um açaí de qualidade ímpar, embora, precise urgentemente melhorar a sua infra-estrutura para explorar de forma racional a sua vocação, tudo funciona, mas, os acessos aos ramais, as vicinais, não permitem que a colheita da sua maior riqueza se realize de forma profissional e sustentada, um problema que com vontade e interesse politico seria facilmente resolvido, as pessoas hoje sabem como funcionam os velhos políticos, aquelas promessas vazias não prosperarão mais nesta cidade, engana-se quem está pensando que vai ganhar votos chegando dois meses antes das eleições apenas para enganar o povo, retornando quatro ou oito anos depois com as mesmas bravatas, essa turma não terá vida fácil por lá. Codajás é um lugar que tem um ar de prosperidade e o prestígio do Presidente Bolsonaro com as camadas mais humildes é incontestável, conversei com as pessoas, tomei café no mercado, pude ouvir muita gente confiante que o Brasil está no caminho certo, as mentiras estão perdendo força, não convencem mais, um modelo esgotado.

<

p style=”text-align: justify;”>

Em Anori, uma cidade querida, foi a última etapa desta jornada, conversei com o Prefeito Régis Nazaré, perguntei sobre qual é a sua grande necessidade, isso numa conversa informal, ele me respondeu: “A pavimentação de uma estrada de 23 km que nos liga a Codajás”, essa obra facilitaria o escoamento da nossa produção de açaí e beneficiaria a cidade inteira. O município é grande produtor do fruto, rivaliza, no bom sentido, com Codajás, mas, sofre com problemas de infraestrutura, uma regra geral nos 61 municípios do interior do estado. Um problema complexo, mas, com uma solução simples, basta apenas fazer o investimento que, para um Estado grandioso como o Amazonas, não representa nada, mas, para uma cidade pequena como Anori, seria tudo.

Tomei o açaí de Codajás e o de Anori, já tenho o meu preferido, mas, vamos deixar essa revelação para depois de 2022, primeiro vamos virar esse jogo.

Selva!

*Coronel reformado do Exército

Qual Sua Opinião? Comente: