Tentando conter manifestação da saúde, “pelegada” solta comunicados nas redes sociais. Mas o ato está mantido para amanhã

A Mesa Estadual de Negociação do SUS, formada apenas por representantes de entidades pró-governo, tenta desestabilizar a manifestação convocada pelos servidores da saúde para amanhã, em frente à Secretaria de Saúde do Estado, mas não está conseguindo êxito. 

Confira a nota distribuída pelos organizadores do ato:

“Os trabalhadores da saúde organizados e, contando com o apoio de verdadeiros e representativos sindicatos da categoria e associações de servidores das fundações de saúde, manifestamos total repúdio à nota da MESA ESTADUAL DE NEGOCIAÇÃO DO SUS, divulgada nas redes sociais a qual tem o claro e obscuro objetivo de confundir e desarticular a Manifestação dos Servidores da Saúde do Estado  programada para o dia 15 de março próximo às 08:00 na sede da SUSAM.

Afirmamos que essas  lideranças há muito tempo não apóiam e nem representam os trabalhadores pois há mais de dois anos que a referida mesa não reúne para discutir as perdas salariais ou analisa pautas que visem ir ao encontro das verdadeiras e prementes necessidades dos trabalhadores, chegando ao ponto de, cumulativamente, amargarmos perdas salariais de mais de 40%, com a falta das promoções do PCCR e com a retirada do vale alimentação.

Portanto, conclamamos todos e todas trabalhadores da saúde, a nos fazermos presentes no dia 15 de março na manifestação e  lotarmos a sede da SUSAM a fim de que, de viva voz, anunciarmos nossas justas e inadiáveis reivindicações e aproveitarmos para denunciarmos esses dirigentes pelegos e descomprometidos com as causas dos trabalhadores, ora se escorando em cargos comissionados ora sentindo-se como donos das entidades sindicais que foram criadas e deveriam agir para o bem dos seus  associados.”

Veja o comunicado que os “pelegos” – como são chamados pelos próprios colegas – divulgaram ontem:

Ainda na linha de ataques aos organizadores, o coordenador da Mesa pró-governo, o enfermeiro e pai de santo Alberto Jorge, que assessora a primeira dama Edilene Gomes de Oliveira, afirmou, em grupos de whattsapp, que a reunião com o governador “já está valendo como parte do processo”. E arrematou: “Estamos seguindo ritos que não seguimos em 2008, quando o governador Eduardo Braga, a quem o Ronaldo Derzi é subserviente, nunca nos recebeu”.

Ronaldo Amazonas, na verdade, é farmacêutico, foi diretor do hospital Alfredo da Matta nas gestões de Gilberto Mestrinho, Amazonino Mendes e Eduardo Braga e tem uma histórica militância no movimento da Saúde Pública, ao contrário de Alberto Jorge, que tem na militância afro e LGBT seu principal foco.

Jorge foi um dos principais cabos eleitorais do governador José Melo em 2014.

Qual Sua Opinião? Comente:

Este post tem 2 comentários

  1. Alberto Jorge Silva

    Hiel Levy, tenha um pouco de vergonha e dignidade e procure se informar do que de fato está acontecendo.
    Ataques gratuitos e ensandecidos pela raiva política não vão ajudar em nada.
    Sou Pai de Santo sim, com muito orgulho, sou profissional de saúde, PSICÓLOGO e não Enfermeiro.
    Não estou Assessor da Primeira Dama Dona Edilene Oliveira. Estou Assessor na SUSAM, mais especificamente na Saúde Integral da População Negra.
    Eu e vc nos conhecemos de velhos carnavais, quando trabalhávamos como repórteres e eu o tinha como um profissional digno e honrado.
    Mas percebo que o ódio, que interesses outros te cegaram e vc deixou de lado o bom jornalismo para estar a serviço da política suja e rasteira.
    Que pena!
    O bom Jornalismo precisa de profissionais éticos, responsáveis que se deem ao trabalho de apurar as informações que lhe são levadas pelas fontes.
    Exerço com muita dignidade meu trabalho sindical e disponibilizo meu sigilo bancário e fiscal para as autoridades a qualquer momento, sem medo de ser enquadrado como participante de caixa 2 ou qualquer outro expediente.
    Volte a ser aquele jornalista digno e respeitado, que apurava os fatos, que te fizeram galgar o cargo de Secretário de Estado.
    No afã de prestar serviço ao seu chefe vc passa por cima da dignidade das pessoas e faz ataques levianos sem se dar contas de que comete absurdos.
    O seu texto acima incorre em crime de ÓDIO RELIGIOSO, PRECONCEITO E RACISMO, leia e interprete a Lei 7.716 a Lei Caó e a Lei 12.288 Estatuto da Igualdade Racial e vejas onde vc finda se enquadrando.
    Estás te levando pelo ódio visceral de pessoas que dizem estar fazendo o bem para a classe trabalhadora da Saúde, quando no máximo defendem seus interesses intestinos ou querem fazer média junto aos seus patrões políticos.
    Tenho minha consciência tranquila quanto as minhas ações.
    Recomendo que vc faça uma reflexão quanto a um texto da Bíblia que vc se diz seguir:
    “De que vale um homem ganhar o mundo e perder a alma?”
    De que vale um jornalista ganhar dinheiro e perder o respeito profissional?

    1. Hiel levy

      Em primeiro lugar, mais respeito com a Bíblia. Ela não serve a interesses subalternos. Em segundo lugar, você me acusa de ser parcial e estar a serviço de alguém e admite ser assessor da Susam. Portanto, quem é você para falar da dignidade, seriedade e correção de alguém? Muito bom que tenha se assumido pelego. E desculpe por trocar a sua profissão. Quanto ao ódio religioso (disse apenas que você é pai de santo, isso não é verdade?), militante LGBT (isso é mentira ou preconceito?) e militante da causa afro (isso é racismo?) Menos, Alberto, menos. Não vale ofender e atacar apenas por um salário de assessor.

Deixe uma resposta