Requerer

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Lamentáveis as críticas banais dirigidas a Bolsonaro como se não tivéssemos tido enorme progresso em vários segmentos. Infelizmente, os derrotados nas urnas sofrem quando veem Bolsonaro concluir obras no Brasil da época em que LULA, o condenado, fingia que lançara a pedra inicial e a todas abandonara; enganando os incrédulos miseráveis habitantes em sua maioria de um Nordeste então paupérrimo e carente em todos os segmentos. E, se Bolsonaro não fizera mais, fora em decorrência de uma pandemia inigualável que abalara a economia e os cofres da Nação. Pagará agora o auxílio emergencial em duas parcelas, fato que os canalhas omitem. Afinal, o orçamento fora atingido pela epidemia; além de precisar o país proteger o meio ambiente, aspecto que exige investimentos gerando despesas, bem como continuar a recuperação da economia como um todo.
E, onde há trabalho, há resultado. Tanto isto é verdade, que o BC acaba de divulgar que “a economia encolhera 4,05% no ano passado”; constituindo-se em resultado superior ao esperado. Houve surpresa no mercado, mas a euforia ficará para março quando sairão os dados globais, ou seja, de todos os setores. Fruto de estudos embasados sempre em números a humanidade se tornara capaz de discuti-los livremente e com um único objetivo: a obtenção de dados verdadeiros em respeito a todos os envolvidos. Assim, passara a ser no governo Bolsonaro. Por isso, é incompreensível a forma como certos medíocres deputados federais criticam os decretos que flexibilizam a compra e o porte de armas, notadamente ao alegarem que “o país não está interessado em armas, mas em vacinas”. Aos derrotados nas urnas e agora na Câmara deve-se esclarecer que “uma coisa é uma coisa”; além desses não poderem se expressar pelo povo. Por isso, nada há de errado até porque as armas estão nas mãos dos bandidos que são responsáveis por 90% das mortes nas principais cidades. E, o povo decidira nas urnas, tendo Bolsonaro apenas respeitado a vontade popular; o que todos devem fazer. À oposição e aos ignorantes o desprezo por suas posturas antipatriotas, sempre tendenciosas e com o espírito de destruir e nunca construir. A inveja do sucesso de Bolsonaro ainda irá conduzir todos os seus adversários e alguns Ministros do STF ao ostracismo, na medida em que a AGU requerera que essa Suprema Corte se posicione a respeito “do que é liberdade de expressão e suas limitações”. Sejam todos mais honestos dentro do novo Brasil.

*O autor é advogado, escritor e ex-conselheiro federal da Ordem dos Advogados do Brasil

Qual Sua Opinião? Comente: