Omar quer ampliar debate sobre segurança pública no Senado

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print
“O Estatuto do Desarmamento serve só para a pessoa de bem, porque a gente não consegue desarmar o Brasil e não consegue evitar que o Brasil importe armas pelas suas fronteiras – até porque nós vemos os comandos militares pelo Brasil afora de braços cruzados – e evitar que entre drogas e armas pesadas pelas nossas fronteiras. Nós estamos numa guerra contra o narcotráfico”.

Foi com este alerta que o Senador Omar Aziz (PSD-AM) se manifestou durante a votação do Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 55/2021, do senador Paulo Rocha (PT-PA). O projeto susta um dos decretos presidenciais editados em 12 de fevereiro para facilitar o acesso a armas de fogo e munição (Decreto 10.630/2021).

“Hoje, no Amazonas e em todos os Estados, tem menos policiais militares e menos policiais civis fazendo o trabalho de proteção. Por quê? Porque não se faz mais concurso público. Nós temos que mudar algumas regras, senão nós iremos perder essa guerra”, ressaltou o Senador do Amazonas. “E essa guerra, a partir da ocupação do narcotráfico, dos traficantes tomando conta dos nossos filhos, dos jovens, essa guerra não tem volta. Essa é uma guerra que não tem vacina. A única vacina é a prevenção, é a gente resgatar, é tirar o jovem de onde ele está hoje e trazer para o lado do bem”, completou.

Presidente da Comissão de Segurança Pública do Senado, Omar Aziz conclamou os parlamentares a ampliarem a discussão ao invés do debate pontual sobre o desarmamento.

“Nós (senadores) temos condições de apresentar um projeto macro de proteção das nossas fronteiras utilizando as Forças Armadas, nesta verdadeira guerra contra o narcotráfico. Muitas vezes, o pai está desempregado, a mãe está desempregada e o jovem de 13 anos, que serve de avião para vender droga, é quem leva para dentro de casa R$50, R$100 por dia para matar a fome. Ou nós tomamos conta desses jovens ou não vai ter Estatuto do Desarmamento ou não vai ter decreto que possa prevenir a matança que acontecerá por causa de um outro estado paralelo que está se instalando nas nossas cidades”, destacou Omar.

Ainda na mesma sessão, além do PDL, foi discutido o projeto de criação da Frente Parlamentar pelo Desarmamento (PRS 12/2021), proposta pela senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), com relatório de Paulo Rocha.

 

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta