Nova lei prevê multa de 35 salários mínimos em caso de corte de energia ou água

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print
Com a publicação da Lei nº 5.412/21 no Diário Oficial do Estado (DOE), a partir de agora, as concessionárias de água e energia elétrica serão multadas em 35 salários mínimos vigentes, caso forem constatados cortes no fornecimento dos serviços, por falta de pagamento, durante o período de situação de extrema gravidade social, incluindo a pandemia.

A nova legislação, de autoria dos deputados estaduais João Luiz (Republicanos), Josué Neto (PRTB) e Felipe Souza (Patriota), é uma emenda à Lei 5.143/20, a qual proíbe que as concessionárias de serviços públicos de água e energia elétrica realizem o corte do fornecimento residencial de seus serviços por falta de pagamento, em situações de extrema gravidade social.
A legislação estabelece também que, cessado o estado de emergência, o consumidor deverá procurar as respectivas concessionárias de serviços públicos de água e energia elétrica a fim de quitar o débito que, por ventura, venha a existir.
Na avaliação do deputado João Luiz, presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (CDC/Aleam), a partir de hoje, diante da penalidade, as concessionárias passarão a cumprir a legislação estadual em vigência. “Com a aplicação de multa, acredito que esse tipo de infração, por parte das concessionárias, irá cessar. De posse de mais essa ferramenta, vamos poder dar uma basta aos abusos, com constrangimento e humilhação, sofridos pelos consumidores amazonenses”, afirmou o deputado.
Conforme a legislação, a multa de 35 salários mínimos será aplicada e revertida ao Fundo Estadual de Defesa do Consumidor (Fundecon), não interferindo no direito do consumidor que, caso tenha o fornecimento suspenso, poderá acionar juridicamente a concessionária por perdas e danos, além de ficar desobrigado do pagamento do débito que originou o referido corte.
Fiscalização
De acordo com o artigo 5º da legislação, caberá ao Procon-AM a fiscalização para o cumprimento das disposições e a aplicação de penalidade de multa prevista em lei, respeitando sempre o princípio do contraditório e ampla defesa no procedimento administrativo.
Para assegurar uma fiscalização mais efetiva, o deputado João Luiz solicitou que a população registre suas reclamações e denúncias junto aos órgãos de defesa do consumidor.
“Em caso de cortes de luz e água indevidos, entrem em contato com o  Procon-AM 0800-092-1512 e com a CDC/Aleam por meio do e-mail [email protected], pelo telefone 31834451, pelo WhatsApp (92) 994402019 e também pelas redes sociais do deputado João Luiz (@joaoluizam) Facebook , Instagram, Twitter. Somente diante de registros de reclamações, os órgãos poderão atuar de forma eficaz em defesa do consumidor”, destacou.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta