Notícias e comentários pra rir e pra chorar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email

Ao menos em três momentos do dia costumo fazer uma visitação geral on line na grande mídia. Leio os jornais, revistas, sites, portais e blogs de notícias, locais, nacionais e internacionais, sejam eles de que categoria jornalística, vinculação ideológica, cor ou preferência partidária, sinceros ou chapas brancas forem. Tenho lá meus filtros próprios que me fazem absorver apenas a boa informação, os bons conteúdos e descartar o monturo de lixo que existe por aí.
Tudo isso eu já fazia desde os sete anos de idade desde que D. Lélia comprava todos os jornais impressos de Manaus e ouvia as notícias pelo rádio.

Até mesmo antes de me meter a escrever uns medianos artigos semanais nesse espaço gentilmente cedido pelo seu editor chefe meu mano Hiel Levy, já caçava e devorava as últimas do dia.

De há muito, depois da invenção do celular e do advento da denominada blogosfera, a notícia deixou de correr e chegar apenas a quem tinha TV ou podia comprar jornais e revistas. Isso é coisa do passado.

Nas mãos, o cidadão de todas as categorias e classes sociais, dispõe da mais poderosa ferramenta de comunicação moderna que a ciência poderia ter inventado, o celular.

Há porém que se usar essa ferramenta de modo que ela mais ajude que prejudique, mais aproxime que distancie, mais construa que desmonte e mais eduque do que emburreça o cidadão que a utilize seja de que idade for.

Retornando pois ao cerne da questão, vou postar aqui alguns excertos do que tenho lido por esse mundo de notícias e, tirando uma lasquinha, vou fazer uns comentários sob minha ótica, logicamente, respeitando quem pensa ou tenha opinião diferente.

PROCESSO ELEITORAL AMERICANO:

“Juiz da Suprema Corte manda Pensilvânia separar os votos enviados pelos correios”(O Globo).

“Biden amplia liderança na Geórgia e lidera em 3 dos 5 últimos estados”(G1). “Regra de ouro “um eleitor um voto” é estranho à democracia dos EUA”(FSP).

Pronto! está formado o caldo de cultura ideal pra semeadura de um processo complicado, lento, cheio de manobras e chicanas. Viva nosso processo eleitoral eletrônico!

A eleição nos EUA é como a mão inglesa, o prato francês, a mesa americana ou as regras do rugby.
Só eles entendem e aceitam como quem aceita o pai e a mãe.

Vejam isso: Se um senador renuncia, morre ou é eleito presidente, seu substituto será escolhido pelo governador do seu estado; os delegados escolhidos pelos partidos pra referendar o nome do candidato eleito presidente podem não votar nele; não há lei nem corte eleitoral federal; cada estado tem sua própria regra eleitoral. O voto é facultativo, pode ser antecipado ou enviado pelos correios.

É ou não é um pandemônio esse processo?

Cá pra nós mas prefiro o nosso sistema eletrônico de votação ainda que padeça da falta da impressão do comprovante de voto com o que ficaria mais transparente e seguro.

Mas foi o Congresso Nacional e o STF que em meio a interesses escusos, barraram essa iniciativa.

De qualquer maneira, nem Trump perdeu nem Biden ganhou e a democracia americana é bem maior que os candidatos ou seus presidentes.

E de uma coisa tenho certeza, quem apostar que esse fato nos EUA está lincado com nossa eleição daqui a dois anos vai quebrar a cara. Uma coisa é uma coisa…

Candidato fala e age como candidato. Presidente fala e age como presidente.

É assim que funciona.

CAMPANHA ELEITORAL EM MANAUS:

“Vou ampliar o Programa leite do meu filho”(Negão).

Poura Negão! Leite processado é cheio de gordura, caro e vicia mãe e filho a não amamentar. Gaste essa grana investindo em saúde materno infantil e amplie o programa de incentivo ao aleitamento.

“Vou construir um hospital de 150 leitos em 6 meses para realizar 1.000 cirurgias/mês”(Nicolau).

Ricardo, vai estudar um pouco a Lei do SUS. Construa o tal hospital e doe-o para o estado. Saiba que somente ao estado cabe a atenção na média e alta complexidade. Invista esses recursos todo na atenção primária cujo município de Manaus tem a menor cobertura de todas as capitais na faixa de 45%.

“Vamos implantar o auxílio emergencial em Manaus no valor de R$ 300,; “Criaremos uma ajuda mensal de R$ 200,”; “Implantaremos em Manaus o Vale Vida de R$ 200,/mês.”(propostas de vários candidatos a prefeito).

Tomem tento! senhores. Não é doando esmolas ou fazendo caridade com o imposto do contribuinte que se educa um povo. Vamos investir em programas que gerem trabalho, renda e empreendedorismo os quais dão dignidade ao cidadão.

“Vou fazer concurso público e aumentar o salário do servidor da saúde” (AMIL).

Bando de hipócritas e vendilhões de promessas!

Há anos os servidores da saúde amargam o mais péssimo tratamento em termos salariais e de atenção dos prefeitos.

Aliás saúde sempre esteve em quinto plano nas últimas gestões municipais.

PANDEMIA PELO BRASIL E PELO MUNDO:

“EUA registram recorde de mais de 130 mil casos novos em um único dia”(O Antagonista).

“Pela primeira vez desde abril, Brasil registra menos de 20 mil mortes em um mês…”(G1).

“Pandemia se alastra mais na Europa do que no resto do mundo”(Site O Fluminense).

“A França superou a marca de 1 milhão de casos de CoVid19 desde o início da pandemia…”(Boletim OMS).

“Coronavírus hoje: Espanha tem alta recorde de casos confirmados em 24h”(Valor Econômico).

“Reino Unido prevê nova aceleração da CoVid19 e prepara mais medidas de isolamento”(FSP).

Ibiza, Mikonos, Disney, Saint Tropez, Copacabana e até os flutuantes de Manaus são as fontes e causas principais dessa aceleração da pandemia, aumento de mortes e de casos novos especialmente entre os jovens e de classes mais abastadas.

O vírus chinês anda lépido e fagueiro entre nós.

Em mutação e disfarçado, em cada versão nova se fortalece e dissemina entre aqueles que se preservaram e se esconderam em cada na fase mais cruel da pandemia.

Jovens, velhos acesos e gente irresponsável, vão e voltam pra rua e do trabalho trazendo para os ambientes e para os que gravitam nos seus entornos a doença que ainda continua matando sem dó nem piedade.

POLÍTICA, POLÍCIA E JUSTIÇA:

“Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiróz são denunciados por organização criminosa e lavagem de dinheiro”(Jovem Pan).

“Caso Mariana Ferrrer: MP diz que crime não pôde ser comprovado”(Isto é);”Parlamentares apresentam projetos para tornar “violência institucional” crime e dar nome da influencer agredida a uma lei em gestação”(G1).

Para quem pensa que não há conexão alguma entre os episódios descritos é um ledo engano!

Se de um lado assistimos a proteção do pai, do aparato do estado e de um MP lerdo e perdido em favor do filhote mal criado, de outro, vemos o de como o pendor da justiça, a agressividade de um defensor arrogante e um MP leniente e até conivente com essas práticas abomináveis, agem para tornar a justiça cada vez menos justa.

Novamente nossos parlamentares preferem jogar pra plateia criando obviedades e dourando a pílula, sem apresentar coisas mais importantes e necessárias.

Ainda há muito chão pra se percorrer até que alcancemos um patamar onde verdadeiramente a justiça prevaleça e se imponha com padrões de celeridade, equidade e senso de responsabilidade dos seus operadores.

COSTUMES, RELIGIÃO E ESCOLHAS:

“Papa defende união civil…”(BBC News).

“Imprensa erra: Papa não equipara união homossexual ao matrimônio”(Gazeta do Povo).

Decerto que até em mim essa declaração do Papa Francisco, mundialmente reverberada pela mídia e pelos movimentos LGBTQYZKXPQD, causou estranheza até merecendo críticas de cristãos mundo afora. Primeiro por conta de quem disse isso e depois pela radicalidade com que ela foi entendida. Depois pelos desdobramentos que poderiam trazer e nas profundas mudanças que ela provocaria nos documentos, posições e ensinamentos da Igreja Católica.

Não durou muito e vieram as explicações, desmentidos e argumentações a respeito do episódio.

Verdade é que o Papa apenas afirmou que as famílias não podem abandonar os seus parentes homossexuais.
Indo mais além, defendeu os direitos civis dos gays tais como herança, proteção do estado e união civil. Apenas e tão somente isso!

Embora não seja contra, penso que soa estranho uma palavra dessa ter de partir da mais alta autoridade da Igreja Católica.

Se ficasse calado não faria falta alguma a opinião papal.

Enfim, notícia é notícia desde que o mundo é mundo!

Precisa ser lida, entendida, filtrada e divulgada ou, pra usar um termo mais atual, compartilhada, porém, com a responsabilidade de quem prefere um mundo de verdades ou sabe  assumir riscos e dissabores.

Té logo!

Qual Sua Opinião? Comente: