José do Egito

Tarefa para casa sempre é considerada para filhos e pais como algo a ser encarado com seriedade posto que está intimamente relacionado com o aprendizado escolar, ainda mais para as crianças.

Naquele final de tarde de uma sexta feira, último dia de aula da semana, Bito retornava para casa com seus pais.
Dentro do carro a conversa girou em torno do que o pequeno havia feito no dia, quais conhecimentos foram passados e que tarefas escolares deveria cumprir no final de semana.
-Hoje tive aula de religião e a professora deixou como tarefa, que a gente escolhesse um personagem do Antigo Testamento(AT)com o qual cada um melhor se identificasse. Assim se expressou Bito.
-Olha que coisa interessante meu filho! E você já sabe qual nome desse personagem? Retrucou uma mãe mais que curiosa.
-José do Egito! Respondeu de bate pronto um Bito mais que resoluto sem deixar margens para dúvidas.
Querendo melhor compreender o porquê dessa tão afirmativa escolha por parte do rebento, o pai de Bito tasca:
-Mas há tantos e tantos outros conhecidos personagens bíblicos do AT importantes meu filho e você preferiu José?
-Papai, é que quando a professora de catequese, Irmã Anita, ensinava pra gente sobre os livros do AT, eu fiquei muito interessado e gostei demais da história de vida de José.
-Então você já sabe quem foi, o que fez e o que representa José para nossa fé e para nossa formação moral e religiosa? Quis saber o pai.
-Mais ou menos papai. Ele foi um jovem que muito sofreu pela incompreensão e inveja por parte dos seus irmãos, padeceu nas mãos de gente poderosa e ruim mas soube usar do perdão e da sabedoria dada por Deus para fazer o melhor pelo seu povo, deixando um rastro de ensinamentos e de conselhos, especialmente para seus pais e irmãos mais velhos. Mas quero aprender mais e mais com vocês sobre a vida e a caminhada de José para que possa cumprir a tarefa escolar da aula de religião.
-Muito bem filho! Expressou-se a mãe de Bito já se comprometendo em ajudar para que a tarefa fosse cumprida da melhor forma possível.
-Então meu filho, para que você tenha a dimensão completa da sua escolha e possa saber de verdade quem foi esse personagem bíblico, amanhã vamos pesquisar e conversar melhor sobre ele.
-Tá bom mamãe! sei que fiz uma boa escolha mas quero muito aprender ainda sobre José do Egito e dividir com meus amiguinhos da escola.
-Por certo meu príncipe que você  fez a escolha mais acertada. A Bíblia é recheada de personagens ricos em ensinamentos e belos exemplos de vida. Seja no Antigo ou no Novo Testamento, Deus nos abençoou com a existência de muitos anjos, profetas, discípulos, apóstolos, reis, rainhas e gente simples do povo, para nos inspirarmos nas suas trajetórias, enriquecendo nossa existência terrena e fortalecendo a nossa fé e a nossa caminhada de filhos de Deus. Completou uma mamãe ávida por ajudar o filhote nessa tarefa sublime.
No domingo, dia dedicado ao Senhor, após chegarem da obrigação matinal da santa missa, família reunida, foi o momento oportuno para retomarem o assunto sobre a escolha de
Bito por ter José como seu personagem mais marcante no AT.
-Para melhor compreensão sobre quem foi José do Egito meu filho, é preciso buscar na Bíblia algumas importantes informações, explicou o pai de Bito.

-José era filho de Jacó e de Raquel uma das esposas preferidas do patriarca. Tinha um irmão legítimo chamando Benjamin e dez meio irmãos de outros casamentos de seu pai, estes, que tinham muita inveja dele por causa dessa predileção de Jacó e de Raquel por ele. Contou o pai de Bito.
-Essa atitude por parte dos seus irmãos não era justa né papai? porque José foi fruto de um milagre já que seus pais eram velhos quando ele foi concebido. Asseverou Bito já demonstrando que conhecia bem a vida de José do Egito.
-Além de injusta, não era uma atitude correta porquanto José não tinha culpa alguma do amor dos seus pais por ele; e tudo piorou, quando José contou aos seus irmãos alguns sonhos em que ele se tornaria um personagem central e mais importante que estes e seus próprios pais dentro do seio familiar. Sonhos esses, verdadeiras profecias inspiradas pelo Criador que mais tarde se cumpriram, completou o pai.
Numa mistura de curiosidade, mas repleto de vontade de aprender sobre seu personagem bíblico favorito, Bito ia dando vazão para que seus pais lhe ensinassem mais e mais.
-Mamãe, como foi a história da venda do José por parte dos seus irmãos?
-Meu filho, essa é a parte da vida de José das mais tristes e emblemáticas. Jacó, o pai de José, pediu a ele que fosse ao encontro dos outros irmãos que estavam num campo distante cuidando das ovelhas. Os irmãos de José ao verem-no se aproximar, ardilosamente já tramaram uma forma de se livrarem do irmão mais novo. Primeiro pensaram em matá-lo, mas preferiram arrancar suas vestes e jogá-lo num poço seco. Vendo que uma caravana de comerciantes passavam ao largo, tiveram então a ideia de vender a estes o irmão. E assim foi feito. Depois, pegaram a túnica de José e sujaram com sangue de um animal para depois mandarem ao pai informando que ele havia sido atacado no deserto e morreu. O pai e a mãe de José foram tomados de muita dor e tristeza com essa notícia que além de falsa era terrivelmente macabra.
-Quanta maldade e quanta falta de amor desses irmãos! Como pode que tenham tido coragem de tramar contra o próprio sangue não é papai?
-Isso mesmo meu filho. Mas tamanha crueldade estava apenas começando porque José foi vendido depois como escravo a um oficial do faraó do Egito. Depois de muito tempo, José foi ganhando o respeito do oficial que lhe depositou toda confiança e a administração dos seus bens. Para completar a saga, como José era um jovem sábio e muito bonito, a esposa do oficial se engraçou por ele mas José rezava muito a Deus para livrá-lo dessa perseguição e de possível traição ao seu senhor. Vendo que suas más intenções não prosperavam, a esposa do oficial armou um cilada para José denunciando-o ao seu marido como alguém que a havia molestado durante a ausência deste. O oficial acreditou na esposa e mandou prender José.
-Mas Deus estava com José desde sempre e Papai do Céu não abandona os seus filhos mais necessitados. Saiu-se assim a mãe de Bito.
-E o que se sucedeu a José enquanto esteve na prisão? Indagou o pequeno, todo curioso.
-Preso injustamente, José ganhou a confiança do carcereiro e acabou por conhecer na prisão dois empregados do faraó. Estes lhe contaram seus sonhos que José os traduziu e se cumpriram fielmente. Ao empregado a quem havia profetizado que seria libertado, José implorou que contasse ao faraó sobre ele mas este acabou por esquecer o pedido. Anos mais tarde, o faraó teve dois sonhos perturbadores. Recorreu aos sábios, escribas e conselheiros para que traduzissem seus sonhos porém, nenhum destes, sabia dar uma explicação. Aquele empregando do faraó que José conheceu na prisão e a quem havia profetizado e traduzido o sonho de que seria libertado, falou então ao seu senhor que somente José, que estava preso, poderia ajudá-lo. Retirado da prisão e levado à presença do faraó que lhe contou os sonhos, José os traduziu dizendo que o Egito passaria por uma forte tribulação com sete anos de seca após sete anos de fartura quando então, na fase da abundância, deveria armazenar alimentos.
-Mamãe, e o faraó acreditou em José? Quis saber um ansioso Bito.
-Não só acreditou como animou-se em seu coração que o espírito de Deus estava com José e que poderia nele confiar a ponto de transformá-lo em governador por sobre todo o Egito para administrar as fases da fartura e da fome. O faraó ainda entregou em casamento a José a filha do sacerdote do templo dando-lhe poder e riqueza. Com sabedoria e proteção de Deus, José preparou o Egito para armazenar alimentos durante a fartura por sete anos. Vierem os tempos de severa seca e escassez de mantimentos mas os celeiros estavam cheios e o povo do Egito não passou fome. Respondeu a mãe.
-Josué era um jovem muito querido e abençoado por Deus e Este nunca o abandonou. Sua fidelidade e sua confiança no Criador nunca falharam por isso Deus o protegia e o preparava para ser o que foi não é mamãe? Sobressaiu-se assim o pequeno demonstrando total respeito e admiração pelo seu personagem bíblico predileto.
-Sem dúvida meu amor! José por sua fidelidade à palavra, à sua fé e pela sua trajetória humilde e sofrida, ganhou do Pai esse amor e essa proteção. Explicou a mãe ao pequeno.
-E como foram esses tempos de fartura na terra onde José morava e governava? Ele voltou a ver sua família? Como ele pensava nas coisas antigas que tanto lhe causaram dores? Bito, não cansava de martelar seus pais para saber mais sobre a vida de José do Egito.
-Talvez meu filho, uma das mais eloquentes passagens que aconteceram na vida de José nessa fase em que ele era governador e cuidava de alimentar com seriedade e temperança seu povo, foi quando a fome atingiu também a sua antiga família. Seu pai, Jacó, soube que no Egito havia alimentos em abundância e ordenou aos seus dez filhos que fossem até lá comprar suprimentos; mas não deixou que levassem seu filho mais novo de nome Benjamin com medo de suceder o mesmo que a José no passado. Quando os dez irmãos chegaram ao Egito foram conduzidos diante de José que era quem cuidava da venda e distribuição dos víveres. Ao chegarem em frente a José estes se prostraram e José lembrou do seu antigo sonho em que os feixes de milho e os astros do céu lhes rendiam reverências mas seus irmãos não o reconheceram porque haviam vendido José quando este ainda era adolescente.
-Mas papai, será que José trataria seus irmãos com vingança a ponto de lhes negar alimentos ou maltratá-los? Isso não seria coisa de uma pessoa de Deus não é? Expressou-se um Bito meio que incrédulo.
-De maneira alguma meu filho! Mas José foi duro com eles chegando a interrogá-los para que aos poucos fossem se dando conta do passado assombroso que causaram a ele. Perguntou a eles quem eram e que vieram fazer nas terras do Egito. Seus irmãos responderam que moravam em Canaã, seu pai se chamava Jacó, eram doze irmãos porém um havia morrido e o irmão mais novo havia ficado na companhia dos pais. José ainda os assustou tachando-os de espiões e os colocou na prisão. Soltos alguns dias depois, José os liberou para partirem, levando os alimentos, mas obrigando-os a trazerem junto o irmão mais novo porém, para garantir que retornassem, um dos irmãos ficaria preso. Concluiu o pai de Bito.
A mãe de Bito preocupada em este começasse a se desencantar com o personagem bíblico escolhido, passou a explicar melhor o que se passou no coração e na mente de José.
-Meu filho, essas atitudes de José para com seus dez irmãos muito apertou seu coração justo e bondoso. Ele se recolheu e chorou muito em seus aposentos assim que seus irmãos partiram de volta com a promessa de trazerem seu irmão mais novo.
-Chegando em Canaã diante de Jacó, os irmãos contaram tudo o que lhes havia sucedido no Egito. O patriarca Jacó ficou muito triste e revoltado com os fatos e não abria mão de liberar o filho mais novo com receio de lhe acontecer o mesmo que com José. Dois dos irmãos garantiram ao pai que confiasse neles e Jacó até poderia matar seus netos se o irmão mais novo não retornasse com eles do Egito. E o patriarca Jacó consentiu então que levassem o irmão mais novo até à presença do governador do Egito. Concluiu a mãe de Bito.
Percebendo que no olhar e talvez no coração de Bito algo inquietante se apoderava do amado filhote, o pai foi logo emendando.
-Acho meu filho, que José havia elaborado algum plano para receber de volta seus irmãos especialmente o mais novo.
-Como assim papai? Eu estou muito preocupado e até temeroso por alguma atitude vingativa de José para com seus irmãos e vingança não é algo que agrade aos olhos de Deus.
-Certamente meu filho! Vamos então prosseguindo na história para que você e todos nós possamos melhor entender os planos de José?
-Tá bom papai. Conte então como José recebeu de volta seus irmãos.
-Os irmãos retornaram ao Egito levando muito dinheiro e especiarias para comprar alimentos e também foram acompanhados do irmão mais novo Benjamin. Quando José os avistou percebeu logo quem era o jovem que estava com eles e o abençoou. Estando próximos, seus irmãos mais uma vez se prostraram diante de José e entregaram a ele todos os presentes e o dinheiro que haviam trazido. Nesse instante seu coração se encheu de angústia porque lembrara do tempo em que seus irmãos o venderam aos comerciantes e então retirou-se para chorar em seus aposentos. Retornando, ordenou que preparassem um banquete para servir aos seus irmãos. Enquanto ceavam, José ordenou aos empregados que enchessem as bagagens de seus dez irmãos com muitos mantimentos e colocassem também de volta todo o dinheiro que haviam trazido para comprar os alimentos. Mas, na bagagem do seu irmão mais novo, José determinou que colocassem uma rica taça de prata da coleção palaciana.
-Peraí papai que não tô entendendo mais nada! Foi logo cortando um Bito cheio de dúvidas.
-Calma filho que seu pai ainda não concluiu a história. Vamos ouvir o restante? Asseverou a mãe.
-É que eu achava que José iria logo contar o segredo que tanto guardou e se apresentaria logo aos seus irmãos livrando-se da angústia que com certeza apertava seu coração como está apertando o meu. Saiu-se Bito.
-Então vamos continuar porque já estamos quase no final dessa bela e edificante história de vida do seu personagem bíblico favorito meu filho. Completou o pai.
-Cedo pela manhã, os irmãos de José partiram de volta para Canaã repletos de alimentos. José ordenhou a um dos seus seus servos que seguissem a caravana. Lá pelas tantas eles foram parados e avisados de que algum deles havia roubado uma taça de prata da casa de José e aquele que fosse pego com esse bem seria morto. Ao ouvirem isso um temor indescritível tomou conta dos irmãos. Ao abrirem a bagagem de Benjamin lá encontraram a taça. Desesperados de mais uma vez perderem um outro irmão mais novo coisa que o pai deles não suportaria, concordaram em retornar para a casa de José no Egito. 
-Penso que José seria incapaz de querer a morte do seu irmão mais novo. Acho que ele está guardando alguma surpresa para que esse final seja feliz né? Foi logo adiantando Bito.
-Por certo meu príncipe que o final dessa saga de José do Egito haverá de trazer a todos nós muitos ensinamentos para nossa vida e para nossa fé já que Deus nunca desampara os justos e inocentes e sempre assiste aqueles que vivem a retidão da justiça, da honestidade e da bondade. Ponderou a mãe do pequeno.
Tomara que chegue logo o final para que meu personagem favorito do Antigo Testamento, José do Egito, seja um exemplo de fé e de vida para todos nós como aprendi na aula de catequese. Colocou-se Bito.
-Então vamos prosseguir com a história. Ponderou o papai de Bito.
-Diante dos irmãos José perguntou: 
-Como podem agir assim? pagar com maldade a quem lhes fez bem?
-Se erramos meu senhor, então faz de todos nós seus escravos. Disse um dos irmãos.
-Respondeu José:
-Apenas aquele que roubou a taça será meu escravo.
-Mas se Benjamin não voltar conosco nosso pai Jacó morrerá de tristeza. Deixes então meu senhor, que um de nós fique no lugar do nosso irmão mais novo como escravo. Implorou um deles.
-Quando José ouviu isso, seu coração se encheu de compaixão. Ordenou então que todos deixassem a sala e que ficassem somente ele e seus irmãos. Nesse momento, José passou a chorar tão alto que todos do palácio ouviram seus prantos. E disse então aos seus irmãos mais velhos: –– “Eu sou José, o seu irmão, aquele que vocês venderam para o Egito agora, pois, não vos entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque para conservação da vida, Deus me enviou adiante de vós. Porque já houve dois anos de fome no meio da terra, e ainda restam cinco anos em que não haverá lavoura nem sega. Pelo que Deus me enviou adiante de vós, para conservar vossa sucessão na terra, e para guardar-vos em vida por um grande livramento. Assim não fostes vós que me enviastes para cá, senão Deus, que me tem posto por pai de Faraó, e por senhor de toda a sua casa, e como regente em toda a terra do Egito“. (Gênesis 45:5-8).
-Dito isto, abraçou e chorou com um a um seus dez irmãos. Ordenou que fossem buscar seus pais, todo o rebanho e bens que ainda possuíam para que fossem viver no Egito porque a fome e a seca ainda duraria mais cinco anos. Eles foram, contaram a Jacó que José estava vivo e este exultou de alegria dizendo:
-“Basta; ainda vive meu filho José; eu irei e o verei antes que morra“. (Gênesis 45:28).
-Então Jacó partiu para o Egito onde se encontrou com José. Se abraçaram e choraram juntos longamente. A família de Jacó habitou numa das melhores regiões do Egito, com a permissão de Faraó e, com os alimentos que José havia armazenado, sobreviveram em todos os anos de fome. Depois de 17 anos, Jacó morreu e os irmãos de José tiveram medo que José retribuísse o mal que eles lhe tinham feito. Por isso enviaram um recado a José dizendo:

-Antes de morrer nosso pai pediu para que nos perdoasse, porque te tratamos com muita perversidade e maldade, agora pois, perdoa o nosso pecado. José chorou quando recebeu o recado. Mais tarde seus irmãos o encontraram pessoalmente, prostraram-se rosto em terra e disseram: -Aqui estamos, somos teus escravos.

José respondeu: “Vós bem intentastes mal contra mim; porém Deus o intentou para bem, para fazer como se vê neste dia, para conservar muita gente com vida. Agora, pois, não temais; eu vos sustentarei a vós e a vossos filhos“. (Gênesis 50:19-21)

-Que lindo final né papai e mamãe? Eu acho que vocês gostaram e minha professora de religião e meus amiguinhos também vão gostar do meu personagem bíblico favorito.

-Por certo meu filho! A história de José do Egito é linda e edificante. Ele foi um homem escolhido e conduzido por Deus que conseguiu o que poucos seres humanos conseguem, pois em tudo ele viu a mão de Deus por cima de todos os que tentaram manchar sua história com traição e dor. Prosseguiu cumprindo os planos do Pai com perseverança e resignação e perdoou todos aqueles que lhes haviam causado sofrimento sem agir com vingança e hostilidade para com seus perseguidores. Concluiu a mãe de Bito toda orgulhosa pela escolha do pequeno.

Amém!

Qual Sua Opinião? Comente: