Famílias recebem cartões de Natal com fotos dos detentos em Manaus

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Durante toda essa semana, os familiares dos internos do sistema prisional do Amazonas estão recebendo cartões natalinos, preparados pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), das mãos de seus próprios entes. A entrega dos cartões, decorados com foto do familiar preso e dedicatória, foi uma iniciativa do Departamento de Reintegração Social e Capacitação (Deresc) da Seap, com o objetivo de estreitar os laços familiares e cultivar o valor humano.

As fotos foram feitas na decoração natalina elaborada pelos detentos dentro das unidades prisionais, com todos os familiares cadastrados que realizaram visitas nesse mês de dezembro. A Seap contou com a colaboração das empresas cogestoras, CGPAM, Reviver, Umanizzare e RH Multi para a realização da atividade comemorativa.

Nas palavras da psicóloga do Deresc, Ana Cláudia Macedo, “o Natal é um dos momentos mais importantes do Cristianismo em que celebramos o nascimento de Jesus, a família, o amor ao próximo, o perdão e a esperança de uma vida melhor”. Para a psicóloga, o social da Seap pôde aproveitar a data para resgatar e fortalecer os vínculos familiares afetivos.

“As celebrações natalinas no sistema prisional têm como principal objetivo propiciar aos reeducandos uma reflexão sobre essas questões. E a participação dos familiares nessas celebrações é de suma importância, já que a família é um componente precioso, no processo de reinserção social”, complementou Ana Cláudia.

Dona Keitia Jane, mãe de um dos internos do Centro de Detenção Provisória de Manaus II (CDPM 2), disse que essa lembrança de seu filho é muito importante para ela nesse momento. “Eu fico muito feliz com essa lembrança porque eu estou com ele na foto. E mesmo ele estando aqui nesse lugar, longe da família nesse natal, a foto vai ser um meio de ter um pouco dele perto de nós, pois, independente do que ele tenha feito, eu amo muito meu filho”.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta