Faculdades de Direito se enfrentam no júri simulado promovido pelo Ministério Público

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

juri simulado

Alunos do curso de Direito de Faculdade Martha Falcão|Devry abrem o 13º Júri Simulado do Ministério Público do Amazonas (MPE-AM), que inicia nesta segunda-feira (9), às 8h, no auditório Carlos Bandeira de Araújo, sede da instituição. Eles debaterão com estudantes do curso da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), na primeira fase do Júri Simulado, que totaliza 32 horas complementares de Prática Forense Penal.

Somente os vencedores da fase preliminar avançam na competição. Ao todo, discentes de nove cursos de Direito em Manaus participam do evento que, este ano, homenageia o Promotor de Justiça João Lúcio de Almeida Ferreira, falecido em 2012.

O chaveamento de confrontos foi definido por sorteio, no dia 23 de outubro de 2015 com a presença de todos os representantes das instituições de ensino inscritas, na presença da Comissão Organizadora do certame.

Na tarde do dia 9, a Faculdade Metropolitana de Manaus (Fametro) enfrenta a Universidade do Norte (UniNorte). No dia 10, pela manhã, será a vez dos estudantes da Universidade Paulista (Unip) e do Centro Universitário de Ensino Superior do Amazonas (Ciesa) se enfrentarem. No mesmo dia, pela parte da tarde, a Universidade Federal do Amazonas (Ufam) enfrenta a Escola Superior Batista do Amazonas (Esbam).

O último confronto da primeira fase será no dia 11 de novembro,pela manhã, entre a Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) e a instituição vencedora do primeiro confronto entre UEA e Marta Falcão|DeVry. A final será realizada no dia 13, à tarde.

Para a coordenadora do curso de Direito da Faculdade Martha Falcão, Mônica Picanço Dias, o evento é uma oportunidade de aprendizado e de estímulo para quem pretende seguir a carreira de Magistrado ou Promotor de Justiça. “É gratificante vê-los praticar o que foi debatido em sala de aula. Além disso, não deixa de ser uma ação que contribui para a evolução e melhoria da prática jurídica como um todo no Amazonas, mais especificamente em Manaus”, disse.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta