Em Manaus, 72,6% da população diz que aderiu ao confinamento, segundo pesquisa

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

A Action Marketing acaba de concluir um amplo levantamento com a população de Manaus, sobre o comportamento nos últimos meses, em função da pandemia da Covid-19. Os resultados mostraram que 72,6% dos manauaras aderiram ao confinamento recomendado pelas autoridades da Saúde, sendo que 18,5% decidiram não sair de casa, enquanto 54,10% disseram que só saíam em caso de necessidade. 51% restringiram as saídas a idas a supermercados ou farmácias.

Com a mudança da rotina e a intensificação da convivência familiar, novas atividades passaram a fazer parte do cotidiano de mais de 80% dos participantes. A maioria (22,2%) está ajudando mais intensivamente nas tarefas domésticas nesse período de confinamento, não somente naquelas tradicionais, como as de limpeza e arrumação, como também em outras mais prazerosas, como jardinagem e culinária ocasional.

Observou-se na pesquisa que muitos procuraram estar mais próximos da família (20,6%), realizando atividades em conjunto. Destaca-se também a leitura, o estudo e a oração que foram intensificadas nesse período de quarentena (10,4%).

A pesquisa identificou também que, para 46,6% dos participantes, a convivência familiar melhorou, sendo 11,1% os que dizem ter melhorado muito. A maioria (48,8%) citou que ficou na mesma situação. No entanto, para 8,6%, o relacionamento familiar, piorou.

Quando se analisou o relacionamento familiar mais profundamente, verificou-se que as atividades desempenhadas na quarentena tem forte correlação com o sentimento de melhora ou piora no relacionamento familiar. Para descobrir como essa relação ocorre, usou-se a análise fatorial (método das correspondências múltiplas), uma técnica estatística muito utilizada para entender a associação entre múltiplas variáveis.

Na figura 4, em formato de cruz, pode ser visto escritas em vermelho e em posições diferentes, as categorias MELHOR, IGUAL e PIOR, assim como uma área destacada em volta de cada. Escrito na cor branca, estão as atividades desempenhadas na quarentena (as mesmas da figura 2). A figura 4 representa a matriz formada pelo cruzamento das atividades com a avaliação da vida familiar. Quanto mais próximas, maior é a correlação, portanto, deduz-se que as pessoas que consideraram a convivência MELHOR que antes, procuraram ficar mais próximas entre si, realizaram atividades domésticas, como também aquelas consideradas prazerosas, como jardinagem, culinária e prática de atividades físicas. Dedicaram-se a leitura, ao estudo e a oração.

Não foram necessariamente as tarefas que causaram surpresa, mas o fato de os participantes procurarem estar mais próximo da família, seja realizando uma tarefa em conjunto ou ajudando individualmente um ao outro, esses atos, de alguma forma, contribuíram para uma considerável melhora na convivência familiar.

Levando em consideração as outras duas posições, os que dizem ter PIORADO ou ficado IGUAL o relacionamento familiar, destacam que durante a quarentena passaram a executar em maior quantidade as seguintes atividades: trabalhar em casa (home office), dormir, assistir TV, vídeo games ou música, além de executar atividades de manufatura como lazer.

Observando a figura 4, é facilmente ilustrado quais são as categorias que andam em conjunto. Desse modo, os resultados mostram que as pessoas que se encontram mais próximas da família e que procuram realizar atividades mais prazerosas, se saíram melhores no quesito enfrentamento do isolamento domiciliar, enquanto as que focaram principalmente no trabalho ou descanso, notícias televisíveis, internet ou se isolaram em uma vida puramente digital, se saíram piores nesse quesito.

Clique aqui e veja a pesquisa completa.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta