Cai a resolução que prejudicava o Polo de Bicicletas da Zona Franca de Manaus

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print
O Comitê Executivo de Gestão (Gecex) da Câmara de Comércio Exterior (Camex) revogou a Resolução 159, que diminuía o imposto de importação de bicicletas e prejudicava as indústrias do setor instaladas no Polo Industrial de Manaus. O Senador Omar Aziz (PSD) já havia emitido um parecer favorável ao PDL 87/2021, apresentado pelo colega Eduardo Braga (MDB), para suspender os efeitos desta resolução e seria colocado para votação no Senado, caso o governo não recuasse da medida.

A Resolução 159 foi anunciada em 17 de fevereiro e reduz progressivamente a alíquota do imposto, de 35% para 20%, até o fim do ano. Omar destaca que o setor de bicicletas é decisivo para a geração de empregos em Manaus.

“Ao todo, 18 estados brasileiros têm indústrias de bicicleta e todos estão perdendo empregos e mercado com a diminuição do imposto para bicicletas importadas”, ressaltou o Senador.

Omar reitera que a indústria nacional deseja competir no mercado externo, mas tem de enfrentar no Brasil “um ambiente de negócios burocrático, um sistema tributário e logístico disfuncional e pesados encargos incidentes sobre a produção”.

“Colocá-la para competir, subitamente, em igualdade de condições com produtores de outros países, que operam em um ambiente muito mais amigável, é como esperar que, em uma corrida, aquele que carrega uma mochila de 20 quilos possa vencer um outro que corre livremente. Não por outra razão, o setor de fabricação de bicicletas propôs a redução escalonada das tarifas de importação, condicionada, porém, a um esforço progressivo de enfrentamento dessas dificuldades”, conclui.

Qual Sua Opinião? Comente:

Este post tem um comentário

  1. Elias Bernardino Tagliate

    As bicicletas estão sendo uma alternativa à população como meio de transporte (valor do combustível nas alturas) e atividade física (academias fechadas devido aos lockdown). Os políticos utilizam a precariedade da industria nacional como forma de aumentar imposto, isso é uma vergonha!!! A industria nacional que tem que se adequar para consegui seu mercado em relação as importadas, coisa que muitas já estão fazendo, não é a população que tem pagar com mais impostos!!!
    20% de imposto em cima de uma bicicleta importada, isso é mais que um absurdo, imagina os atuais 35%!!!

Deixe uma resposta