Yara Lins é eleita secretária de colegiado nacional dos Tribunais de Contas

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

ntegrante do Colégio de Presidentes de Tribunais de Contas do Brasil, a conselheira Yara Lins dos Santos foi eleita, por unanimidade, como secretária-geral do colegiado nesta segunda-feira (5), em Brasília. A eleição aconteceu no plenário do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) e contou com 32 presidentes das Corte de Contas.

O conselheiro-presidente do TCE do Maranhão, José de Ribamar Caldas Furtado, foi eleito presidente do colégio para o próximo mandato de um ano, em substituição ao conselheiro-presidente de São Paulo, Sidney Estanislau Beraldo (TCE-SP). O vice-presidente eleito do colegiado foi o conselheiro-presidente do Rio Grande do Norte, Gilberto Jales (TCE-RN).

Além da anfitriã da reunião, a conselheira-presidente do TCDF, Anilcéia Machado, participaram do encontro o presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ministro Raimundo Carreiro; o presidente da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon), o conselheiro Fábio Tulio Nogueira (TCE-PB); e presidente do Instituto Rui Barbosa (IRB), o conselheiro Sebastião Helvécio (TCE-MG).

Em seus discursos de boas-vindas ao novo presidente do colegiado e aos membros eleitos, os representantes das Cortes de Contas ressaltaram a necessidade de reforçar a integração entre os órgãos de controle externo em âmbito local e federal. Além disso, também falaram dos desafios enfrentados pelos Tribunais de Contas no que se refere à defesa de suas prerrogativas e às discussões sobre mudanças na forma de composição das Cortes.

Após a eleição do novo presidente do colegiado, a Atricon apresentou os resultados e diretrizes para o biênio 2018/2019 do Programa de Qualidade e Agilidade dos Tribunais de Contas (QATC).

A reunião registrou o maior quórum da história do Colégio de Presidentes de Tribunais de Contas do Brasil. A aclamação do corpo diretivo se dá em um momento de intensa mobilização nas cortes de contas brasileiras, que começam a colher os primeiros resultados do programa Qualidade e Agilidade dos Tribunais (MMD-QATC).

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta