Uma história inspiradora

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Existe, mundo afora, centenas de milhares de situações parecidas com a que vou lhes relatar nesse artigo, porém, esta passagem, tem a sublime diferença de que se trata de um sonho de uma criança de apenas sete anos de idade.

Nós, adultos, sem muitas vezes nos darmos conta de que as crianças também, com sua singular capacidade de atentas observadoras podem sonhar seus sonhos, não damos a plena importância quando nossos filhos, netos ou até filhos de amigos ou afilhados surgem com contando episódios que as despertam para o futuro, aquilo que aos nossos olhos, parece distante. A gente não confia nos sonhos deles!
Cerca de oito anos atrás fui procurado por uma colega de trabalho, técnica de enfermagem muito humilde, me relatando que seu único filho de apenas dezenove anos iria prestar vestibular na cidade de São José dos Campos/SP para o quase inacessível ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica.
Contou-me ela na ocasião, que desde os sete anos seu primogênito já falava que, quando crescesse, iria estudar nesse tão famoso e rigoroso centro de formação em tecnologia aeroespacial, um dos mais importantes do planeta e fonte precursora para o surgimento da EMBRAER onde atuam centenas de homens e mulheres cuja formação se deu no ITA.
Ela havia, com muito sacrifício, comprado a passagem para que seu filho fosse para São Paulo.
Cá comigo, eu fiquei pensativo e incrédulo, duvidando do sucesso do rapaz nessa empreitada mas, desejei boa sorte e que Deus o abençoasse nessa jornada certamente desafiadora.
Mais ou menos uns quinze dias depois minha colega de trabalho me procura para dizer que seu filho havia sido aprovado. Seus olhos brilhavam de contentamento e, os meus, marejaram de emoção!
Abracei-a, me congratulei com ela e com o filho, por tão significativa conquista.
Ocorre, que juntamente com a alvissareira notícia, ela me trouxe um baita problema e, desesperada, pediu a minha ajuda.
Para ser matriculado no ITA, o jovem deveria apresentar, dentro de alguns dias, uma série de exames de saúde a fim de comprovar ter a higidez física necessária para estar apto a enfrentar a jornada de formação naquele Instituto.
A feliz mãe do jovem, me relatou que todos os exames já haviam sido realizados porém, apenas um dos exames ela não sabia para que servia e já havia procurado diversos laboratórios e entidades de saúde e, ora nem explicavam o sentido do exame, ora não o realizavam e, sem os exames completos, seu filho teria seu sonho interrompido e perderia a oportunidade de ouro da sua vida.
Pedi dela toda a papelada e, meio a diversos exames de imagem, clínicos e laboratoriais de sangue, um me chamava a atenção.
Era um exame denominado Teste de Montenegro.
Esse teste afere se a pessoa tem ou teve contato com o parasita causador da Leishmaniose ou LTA.
Como minha área de atuação técnica há mais de trinta anos na Fundação Alfredo da Matta, era exatamente nos exames para LTA, ela nem imaginava que dividiria comigo a angústia e uma difícil jornada para obter a realização do tal teste, este que estava há anos em desuso como uma das escolhas clínicas e laboratoriais para diagnóstico da doença e, no meu laboratório, a gente não realizava esse teste.
Saí então da minha zona de conforto e fui à caça de algum colega da área para obter informações acerca do tal exame. Queria muito ajudar minha colega e seu talentoso filho!
O tempo era nosso inimigo, posto que o rapaz tinha apenas mais algumas semanas para se apresentar no ITA, entregar os exames, se matricular e iniciar os estudos.
Foi aí que me lembrei de um colega pesquisador do INPA que muito me ensinou e me ajudou na fase em que estava aprendendo sobre Leishmaniose e os diagnósticos laboratoriais.
Na conversa com esse colega, ele me disse que apenas em Belém, no Instituto Evandro Chagas, poderia ainda ter alguém ou os insumos apropriados para a realização do Teste de Montenegro, dado que não mais era utilizado na rotina para detecção da doença.
Cientificamente o exame se chama Reação Intradérmica de Montenegro e consiste em aplicar na pele do paciente uma solução contendo antígenos inoperantes da LTA, esperar as reações locais em 48 horas e medir o tamanho da possível reação inflamatória na área da aplicação.
Tínhamos dois caminhos: enviar o rapaz para Belém ou solicitar os insumos, sendo esta última, a opção escolhida.
Entretanto, a pressa urgia, a angústia da mãe era aparente e a ansiedade do jovem era notória mas, fomos em frente com a imorredoura confiança em Deus.
Para completar essa quase saga em favor da entrada do jovem no ITA e a realização de um sonho de infância, um temor terrível apenas a mim me alcançava.
Sabia eu que, setenta por cento dos testes sorológicos para detecção de LTA incluindo o Teste de Montenegro, davam positivo tendo em vista que, como nós vivemos numa região endêmica, a maioria da nossa população já teve contato com o mosquito desenvolvendo ou não a doença porém, mantendo uma cicatriz sorológica em que a presença de anticorpos continua detectável por anos no sangue.
Pois bem, os insumos chegaram, a aplicação foi feita e o resultado foi: Teste de Montenegro NÃO REATIVO para LTA ou seja, o rapaz estava apto para se matricular no ITA e realizar seu sonho de infância. Alegria e contentamento geral!
Todavia, essa história estava mal começando em seus novos capítulos recheados de emoção e de sucesso.
Semana passada,  essa minha colega de trabalho e mãe do sonhador estudante do ITA, me telefonou para me dar uma bela notícia.
Seu filho não só havia se formado no ITA, como realizado mestrado no mesmo Instituto e, o que é melhor, havia sido contratado por uma empresa da Inglaterra e ela estava a caminho de SP para se despedir dele que viajaria para Londres onde iria trabalhar com Tecnologia da Informação na área de aeronáutica.
Quanta alegria e quanta emoção se assomaram de mim ao saber dessas notícias!
Essa sim é uma história inspiradora a nos encher de fé, de esperança e de confiança em Deus, na certeza de que é possível sim alcançar sucesso na vida sonhando, acreditando e indo à luta em busca da realização de vida.
Que Deus abençoe esse jovem amazonense que, aos vinte e sete anos de idade, galga uma carreira de sucesso e é fonte de inspiração para tantos outros jovens como ele.
É como diz a frase: A gente sonha e Deus realiza!
Eu que o diga.
Té logo!

Qual Sua Opinião? Comente: