Tirinhas de palavras

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email

TRUMPADA FATAL

A antes decantada e copiada democracia americana  foi por águas abaixo.

Nunca antes na história desse país um presidente eleito e em fim de mandato ousou colocar a nação, a democracia e a história americanas tão sob riscos e chacotas mundo afora.

Ou tiram o Trump do poder ou os EUA estarão absolutamente fragilizados do ponto de vista geopolítico perante as demais potências e a opinião pública internacional.

Viva o processo eleitoral ainda que precise de ajustes e viva tenra democracia brasileira!

MAGISTOCRACIA

Novamente membros das cortes de justiça superiores e comuns colocam as asinhas de fora.

Legislando e ao mesmo tempo atuando como juízes em questões que envolvem a pandemia, avançam além dos limites agindo no lugar dos demais poderes como se fossem o único.

Isso não cheira bem e nem vai levar a bom termo.

O Congresso Nacional tem o dever de por um freio nesse mandonismo quase absolutista dos capas pretas ou eles vão dominar o país.

VACINAS DA DISCÓRDIA

Tá difícil de entender ou aceitar que o governo federal erre tanto em tão pouco tempo quando o assunto é imunização contra a CoVid.

Nunca a relação custo X risco X beneficio foi tão desfavorável à população brasileira quando essa equação é decidida por gente que não é do ramo e trás mais sofrimento e dor para nossa gente.

Tropeçando nas próprias pernas o governo federal coloca em risco a saúde da população recalcitrando e dificultando o avanço das ações que visem a liberação das vacinas já testadas.

Esse vacilo pode custar o recrudescimento da pandemia com a morte de milhares de pessoas posto que a imunização em massa é a solução mais adequada para frear a disseminação do vírus no meio da população.

BOLSONARO

Presidente tem errado muito no trato com a pandemia.

Ora desmente subordinados; ora emite opinião questionável e desmente; ora provoca e promove atitudes desaconselháveis na contramão da postura que se devia esperar de um mandatário da nação.

Queira ele ou não o Presidente da República encarna a figura central dos poderes públicos constituídos em quem a população se mira para respeitar normas e regras.

Quando essa figura ultrapassa os limites do ponderável naquilo que se esperaria de um presidente, suas atitudes tresloucadas e seus maus exemplos, colocam em risco a segurança da população especialmente em questões de saúde em tempos de uma pandemia avassaladora.

Bolsonaro precisa mudar de estilo, de postura e de vida se não quiser ser o Trump de amanhã.

NOVOS PREFEITOS

Eles acabam de assumir a gestão de todos os mais de 5 mil municípios do Brasil.
Sentam-se na cadeira dos executivos municipais em meio a uma pandemia e recebendo um passivo na saúde que requer mais que discursos, desculpas de herança maldita, orçamentos apertados, etc.

Não podem vacilar nem procurar chifres em cabeça de cavalo porque os eleitos sempre souberam das realidade deixadas ora com poucos ou muitos problemas.
A hora é de arregaçar as mangas, vestir a roupa de trabalho pq os problemas não se acabam nem são poucos.

MANAUS E O NOVO PICO DA PANDEMIA

Não há como desvincular essa nova e terrível fase da CoVid19 na capital amazonense de três fatores decisivos para essa disseminação tão avassaladora e fatal.

O primeiro e mais preponderante fator foi a realização da eleição municipal para prefeitos e vereadores e o segundo foram as festas de fim de ano.

As medidas de abertura gradual das atividades sociais e econômicas foram acertadas porque precedidas de estudos técnicos e epidemiológicos porém, um processo eleitoral com comícios, reuniões e passeatas que causam aglomeração, proporcionaram uma disseminação tendo em vista que o vírus não parou de circular.

Igualmente, as reuniões familiares e as baladas sociais nas comemorações da passagem de ano, trouxeram o vírus para dentro das casas pegando em cheio aqueles que haviam se resguardado até aqui especialmente idosos, acamados e pessoas com doenças associadas.

Um terceiro e já conhecido e esperado fator é o período chuvoso(inverno amazônico) que trás consigo as doenças respiratórias sazonais causadas por vírus como o H1N1, a influenza, a síndrome provocada pelo vírus sincicial e até a dengue.

Tudo isso somado depaupera o sistema imunológico humano expondo os indivíduos mais frágeis ao coronavírus de uma forma mais grave e às vezes fatal.

Somente a vacina, o isolamento social e os cuidados de higiene poderão por fim a novos e terríveis picos da pandemia.

E TODOS SOMOS IGUAIS

A pandemia nos nivela e nos iguala a todos.

Lembro da lenda que se conta sobre Alexandre-O Grande que durante seu cortejo fúnebre foi conduzido no ataúde com as mãos para fora. Diziam que era para lembrar que de mãos vazias nascemos e de mãos vazias seremos enterrados.

Não adianta poder, grana, empáfia, posição, sexo, raça, religião, plano de saúde ou hospital. O vírus não tem preferência!

Quando ele ataca, ataca a todos indistintamente. Uns mais graves outros não.

Por isso repito: Cuide-se e cuide dos seus. Distanciamento social, máscara, higienização, prevenção e proteção é tudo o de que precisamos e temos obrigação de fazer.

Té logo!

Qual Sua Opinião? Comente: