Se souber de alguém maltratando um idoso, denuncia pelo 165

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

São cada vez maiores os índices de maus tratos contra pessoas acima de 60 anos, seja por violência física, psicológica, patrimonial ou negligência. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), um a cada seis idosos é vítima de algum tipo de agressão em todo o mundo. Dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM) apontam que, em 2017, 127 idosos foram vítimas de maus-tratos, sendo dois de estupro e 25 de homicídio na cidade.Para evitar o aumento dessas estatísticas e oferecer uma melhor qualidade de vida para as pessoas da chamada melhor idade, a Prefeitura de Manaus tem um canal para denúncias, basta ligar para o Disque Idoso – 165, coordenado pela Fundação de Apoio ao Idoso Doutor Thomas (FDT). Nos últimos anos, o número já recebeu 12.060 denúncias.

A idosa J.M., de 62 anos, é uma das pessoas que precisou dos serviços do Disque Idoso. Ela foi desprezada pelos familiares e passou a morar com a neta M.M., de 31 anos. Achando que sua vida melhoraria, ela passou pelo pior, com agressões psicológicas constantes de quem achava que seria seu porto seguro.

Uma pessoa denunciou a situação para o 165 e uma equipe do Programa de Apoio Domiciliar ao Idoso (Padi), da FDT, passou a acompanhar o caso, fazendo com que a família assinasse um termo de compromisso para cuidar bem da idosa. Após reuniões, a família também foi orientada a procurar um profissional capacitado, como um cuidador de idoso, para atender as necessidades e para que ela continuasse no convívio familiar.

É considerada agressão ao idoso tudo que ameaça a conduta, saúde, segurança e bem-estar. “É importante que se alguém perceber esse tipo de situação, seja da família ou não, que possa entrar em contato com o Disque Idoso, onde serão fornecidas orientações e informações de como proceder”, orienta a psicóloga da Fundação Doutor Thomas, Daniela Cupello.

Um outro caso de atendimento realizado pelo Padi, foi da idosa V.C., 67 anos, institucionalizada em 2016, por negligência. Hoje, a idosa é residente da Fundação Doutor Thomas, participa ativamente das atividades, passeios e principalmente socializa com outros idosos, tudo com a ajuda da equipe de psicólogos.

Política ao idoso

A Fundação Doutor Thomas é o órgão responsável em Manaus pela coordenação da Política Municipal do Idoso e por receber as denúncias, por meio do Padi. O primeiro passo após a denúncia é instruir os familiares, contribuindo para o restabelecimento da afetividade familiar, aspirando a preservação da integridade do idoso. Contudo, se o mesmo estiver em situação de risco social, é oferecido um ambiente seguro e preparado para atender suas necessidades.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2025, o Brasil será o sexto país em número de idosos. Apesar de ser um processo natural, o envelhecimento pode ser propício ao aparecimento de eventos patológicos.

“Devemos entender que o envelhecimento é um processo irreversível que começa desde o nascimento até a finitude. A missão que nos foi dada pelo prefeito Arthur Virgílio Neto foi de coordenar, acompanhar e executar a política municipal do idoso, assegurando a sua autonomia, integração e participação efetiva na sociedade”, declarou a diretora-presidente da FDT, Martha Moutinho.

Tipos de violência contra o idoso

FÍSICA: uso da força física para compelir os idosos a fazerem o que não desejam, para feri-los, provocar dor, incapacidade ou morte.

PSICOLÓGICA: agressões verbais ou gestuais com o objetivo de aterrorizar, humilhar, restringir a liberdade ou isolar do convívio social.

SEXUAL: ato ou jogo sexual de caráter homo ou hetero-relacional, utilizando pessoas idosas. Esses abusos visam a obter excitação, relação sexual ou práticas eróticas por meio de aliciamento, violência física ou ameaças.

ABANDONO: ausência ou deserção dos responsáveis governamentais, institucionais ou familiares de prestarem socorro a uma pessoa idosa que necessite de proteção e assistência.

NEGLIGÊNCIA: recusa ou à omissão de cuidados devidos e necessários aos idosos por parte dos responsáveis familiares ou institucionais. É uma das formas de violência mais comum. Ela se manifesta frequentemente associada a outros abusos que geram lesões e traumas físicos, emocionais e sociais, em particular, para as que se encontram em situação de múltipla dependência ou incapacidade.

FINANCEIRA OU ECONÔMICA: exploração imprópria ou ilegal ou ao uso não consentido pela pessoa idosa de seus recursos financeiros e patrimoniais.

AUTONEGLIGÊNCIA: conduta da pessoa idosa que ameaça sua própria saúde ou segurança, pela recusa de prover cuidados necessários a si mesma.

MEDICAMENTOSA: administração por familiares, cuidadores e profissionais dos medicamentos prescritos, de forma indevida, aumentando, diminuindo ou excluindo os medicamentos.

EMOCIONAL E SOCIAL: agressão verbal crônica, incluindo palavras depreciativas que possam desrespeitar a identidade, a dignidade e a autoestima. Caracteriza-se pela falta de respeito à intimidade, falta de respeito aos desejos, negação do acesso a amizades, desatenção a necessidades sociais e de saúde.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta