Quatro pré-candidatos já estão confirmados para disputar o maior orçamento do interior: Coari

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

A eleição suplementar que vai eleger o prefeito e o vice-prefeito de Coari, que ocorrerá até o dia 5 de dezembro, segundo o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM) será disputada por pelo menos quatro candidatos. Outras duas candidaturas estão sendo ainda avaliadas. As lideranças políticas que pretendem entrar na briga pela chave do cofre milionário do Palácio 02 de Agosto, sede do Poder Executivo Municipal, estão costurando – no município e em Manaus – as alianças do que promete ser um dos mais disputados pleitos dos últimos anos.

A eleição decorre do indeferimento do registro de Adail Filho (PP), o candidato mais votado para o cargo de prefeito nas eleições do ano passado. A Justiça Eleitoral considerou que o mandato conquistado por ele era o terceiro consecutivo no mesmo núcleo familiar, o que é a legislação proíbe.

Na prática a campanha eleitoral já está em curso nas ruas de Coari e nas redes sociais. Já podem ser confirmadas as candidaturas de Keitton Pinheiro (PP), ex-vereador, primo de Adail Filho e vice dele nas últimas eleições; do empresário Robson Tiradentes (PSC), sócio de uma rádio local e segundo colocado em 2020; José Henrique (PL), professor e ex-vereador e Orlando Nascimento (Avante), administrador que ficou em terceiro lugar no último pleito.

Há ainda a possibilidade de mais duas candidaturas, que estão sendo debatidas internamente nos partidos: a do advogado Cândido Honório (PV) e a do militante Hugo Hajam (PT).

Guerra nas ruas

Uma verdadeira guerra de narrativas, informações e Fake News está sendo travada entre membros da família Pinheiro e a família Tiradentes. Os ataques circulam nas redes sociais, emissoras de rádio e em rodas de conversas nas ruas de Coari. Foi uma denúncia apresentada por Robson Tiradentes (PSC), da Coligação Ficha Limpara para Coari, que resultou na cassação do registro de candidatura de Adail Filho, impedido o de continuar no comando do município, mesmo alcançando 59,45% dos votos válidos naquele pleito, com 22.025 votos.

Na guerra travada entre os Pinheiro e os Tiradentes sobrou até para o juiz eleitoral do município, Fábio Lopes Alfaia. Este vem sendo atacado quase que diariamente pela família Tiradentes, que o acusa de favorecer a família Pinheiro em suas decisões.

Em setembro deste ano, Robson Tiradentes, Robson Tiradentes Junior, o advogado Raione Queiroz e a empresa DMP (Design Marketing e Propaganda) Ltda (Rádio Tiradentes) foram condenados pelo juiz Fábio Alfaia, da Justiça Eleitoral do município de Coari, por crime eleitoral nas eleições de 2020. Com a decisão, além dos três se tornarem inelegíveis, terão que pagar multa de mais de R$ 20 mil (vinte mil reais). A DMP também foi multada em R$ 106 mil (cento e seis mil reais).

Prints que circulam em aplicativo de conversas denunciam que o coordenador da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) em Coari, o ex-vereador Natinho, que aparece nas mensagens como “Chefe Natinho” estaria por trás de uma manifestação realizada na última segunda-feira (18) na frente do Cartório da 8ª Zona Eleitoral de Coari, na qual os manifestantes pediram o afastamento do juiz Fábio Alfaia do cargo de juiz eleitoral. O servidor teria sido indicado ao cargo pela família Tiradentes.

Prévia

A eleição em Coari pode se transformar em uma prévia da eleição estadual do ano que vem, já que Keitton teria o apoio do senador Eduardo Braga (MDB) e do ex-governador Amazonino Mendes (UB), enquanto Robson Tiradentes seria apoiado pelo governador Wilson Lima, seu correligionário.

As chances dos demais candidatos são reduzidas, mas o blog apurou que o ex-vereador José Henrique vem crescendo nas pesquisas nos últimos dias, com um discurso de terceira via, colocando-se como alternativa genuinamente coariense.

 

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta