Projeto da OAB-AM encaminha mulheres vítimas de violência ao mercado de trabalho

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Idealizado pela Comissão da Mulher Advogada da OAB Amazonas, o projeto ‘Ressignificando Vidas Femininas: autonomia e empregabilidade para mulheres vítimas de violência doméstica e familiar’, tem recebido o apoio de instituições públicas e de diversos grupos privados. O projeto visa encaminhar mulheres vítimas de violência doméstica e familiar ao mercado de trabalho, bem como incentivar o ingresso delas ao empreendedorismo.

A iniciativa foi lançada pela OAB na semana passada, quando se comemorou o Dia Internacional da Mulher. Entre os parceiros estão o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram), a Associação das Donas de Casa do Estado do Amazonas (ADCEA), o Grupo Gérbera, Supermercados DB, a Defensoria Pública (DPE/AM) e o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ/AM).

“Queremos empoderar mulheres vítimas de violência doméstica e familiar, garantindo autonomia financeira e empregabilidade. A ideia é possibilitar que a autonomia financeira seja um mecanismo para romper o ciclo de violência”, afirmou a presidente da OAB Amazonas, Grace Benayon.

O processo de seleção das mulheres para as vagas de trabalho já iniciou. O cadastro das mulheres incluídas no projeto será encaminhado pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), via Juizado Especializado no Combate à Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, para a Comissão da Mulher Advogada da OAB, a qual fará a conexão das mulheres com as empresas interessadas na contratação da mão-de-obra feminina, além de fomentar o empreendedorismo e posteriormente remeterá para que participem de capacitações junto ao Núcleo Especializado em Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher da Defensoria Pública (Nudem/DPE/AM).

A presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB/AM, Gláucia Barbosa, destaca que o projeto tem o objetivo de incentivar empresas do Amazonas a promoverem a empregabilidade feminina. A iniciativa, conforme Gláucia, premiará as instituições públicas e empresas privadas com os selos Gold e Parceria, como forma de promover o reconhecimento da valorização ao empenho e atuação conjunta no processo de transformação social de mulheres vitimizadas.

“Queremos que essas empresas possam contratar mulheres que foram vítimas de violência doméstica ou familiar e que estão desempregadas. Faremos o devido reconhecimento desse tipo de iniciativa, concedendo um selo que vai chancelar a ação”, afirmou a advogada Gláucia Soares.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta