Possível cheia histórica levará Manaus à decretação de estado de emergência. Prefeito pede apoio

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Após anunciar durante agenda em Brasília (DF) que irá decretar estado de emergência na capital amazonense nesta quarta-feira, 5/5, por conta de uma possível cheia histórica, o prefeito de Manaus, David Almeida, garantiu nesta terça-feira, 4/5, em reunião com o secretário nacional  de Proteção e Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves, apoio federal ao município, para atender as 8.474 mil famílias afetadas pela subida das águas do rio Negro.

O prefeito destacou que o apoio federal é necessário para custear kits de ajuda humanitária, contendo itens alimentícios, de higiene, de limpeza e de dormitório, voltados às famílias vitimadas, além de ações de descontaminação de áreas públicas durante o período emergencial.

“Já estamos enfrentando a pior enchente da história e ainda temos mais de 40 dias de cheia pela frente. Aquilo que a Defesa Civil Nacional disponibilizar será uma ajuda substancial à cidade devido à enchente e aos impactos da pandemia da Covid-19. O que não for possível, a prefeitura arcará com todas as despesas”, afirmou o prefeito David Almeida.

O secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, Alexandre Alves, garantiu que o governo federal dará apoio ao município. “Vamos liberar recursos. A ordem do presidente Jair Bolsonaro e do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, é ajudar. Manaus pode contar com o governo federal e com a Secretaria Nacional de Defesa Civil”, declarou.

A reunião aconteceu no Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), na Esplanada dos Ministérios, e contou com a presença do secretário-chefe da Casa Civil de Manaus, Tadeu de Souza, e do secretário municipal de Educação, Pauderney Avelino.

De acordo com o 3º Alerta do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), o nível máximo previsto para o rio Negro em 2021 é de 30 metros, com pico previsto para o mês de junho. A capital amazonense já se aproxima deste limite, e a população mais afetada reside, atualmente, em áreas de igarapés, em zonas ribeirinhas urbanas e rurais, além do centro histórico e da área portuária. Conforme a medição feita na manhã desta terça-feira, o nível do rio está em 29,23 metros.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta