Pedestre, transporte, mobilidade em Manaus

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email

Manaus é a maior cidade da Amazônia. Cidade sem uma política de mobilidade urbana, com problemas sérios no transporte, no trânsito, com um número crescente de pedestres vítimas de acidentes.

Esse é um dos debates que estamos realizando com diversos especialistas e profissionais para apresentar propostas para melhorar a mobilidade na cidade e trânsito mais seguro.

Ciclistas e trabalhadores que utilizam a bicicleta como meio de transporte sentem as dificuldades pela falta de ciclovias, bicicletários e segurança no trânsito.

O grupo Pedala Manaus é perseverante nas propostas e confiante que milhares de pessoas poderiam usar esse meio de transporte, mais saudável e barato. Mas cobram que a Prefeitura leve a sério essa pauta, a exemplo de São Paulo, gestão de Haddad, que implantou quase 400 km de ciclovias.

O pedestre é a grande vítima do trânsito. Diz o adágio popular, que “todo motorista é um pedestre”. Mas quantos acidentes fatais ocorrem? Em 2019, em Manaus, segundo o Detran, foram 276 mortes no trânsito. Maioria eram pedestres.

Manaus precisa implantar os radares eletrônicos. Vai salvar vidas. São 12 anos de governos municipais sem esse instrumento de trânsito funcionando. O que tem por trás disso?

Claro que não basta só multar e punir. Mas é urgente a prevenção. As campanhas educativas e de conscientização. Uma reeducação no trânsito, começando nas salas de aulas.

Cidade grande precisa de sistema de transporte moderno e eficiente. O atual sistema está ultrapassado. Falido, como diz o povo. O contrato com a Prefeitura não é cumprido e nem fiscalizado. Resultado: ônibus velhos, frota reduzida, transporte sem qualidade e inseguro. Muitos bairros sem linhas funcionando.

Quem controla as linhas de ônibus? O ex-vereador Waldemir José fez um levantamento em parte da cidade e constatou que nas linhas estudadas, a maioria tinha quantidade de ônibus e de viagens de cada veículo menor que o previsto na planilha de custos. O povo pagando caro por um serviço péssimo.

Já teve debate sobre o Plano de Mobilidade Urbano de Manaus em 2015. Aliás, pouca participação efetiva. Mas a Prefeitura não cumpre o plano. A obra na avenida Constantino Nery não estava no plano. Improviso. Sem planejamento. Típico dos atuais governantes. E dos anteriores também.

A cidade precisa garantir a acessibilidade.  Nas ruas, na sinalização, no transporte nas suas diversas modalidades, nas calçadas. O plano de mobilidade trata disso. Questão de direitos. O transporte é direito social. É serviço essencial.

Falando em calçadas, quem é o responsável? O espaço público ocupado de forma indevida. Cabe à Prefeitura dialogar com a população sobre o cuidado das calçadas para facilitar a vida das pessoas.

Na construção de propostas para cuidar do transporte, da mobilidade e a segurança do pedestre de Manaus estamos ouvindo a todos e todas.

Foi lançado a plataforma virtual www.amanausquequeremos.com.br

Participe, mandando sugestões, ideias e opiniões.

Qual Sua Opinião? Comente: