O ungido de Deus

Por Edilson Martins*

“Eu tenho uma missão de Deus, vejo dessa maneira. Foi um milagre estar vivo e outro milagre ter ganho as eleições. Deus também tem me ajudado muito na escolha dos meus ministros.”

Uma heresia repassar a escolha de diferentes e patéticos ministros à vontade de Deus.

Eis o que vem repetindo o presidente Bolsonaro, o ungido de Deus.

Nada diferente do que dizem não poucos farsantes, ou mesmo não poucos pastores, políticos, trapaceiros, às vezes sinceros, mas delirantes.

Invocar Deus, constantemente, é próprio de povos mergulhados em religiosidade e atraso.

E, no entanto, quando isso procede de governantes, garantindo serem a representação divina, delegados ungidos por Deus, tenhamos a certeza de absoluto delírio, ou o pior, mais um farsante tripudiando da ingenuidade do povo.

Por outro lado, o que tem faltado de ações de governo, redução de desemprego, aquecimento da economia, tem sobrado diversionismo, performances continuadas.

A última é um evangélico no STF.

A galera, de pé, aplaudiu.

*O autor é jornalista

2 COMMENTS

  1. É melhor um Presidente que fala em Deus do que estes ateístas que destruíram o país. Patético é um ex-presidente preso por corrupção e seus seguidores o chamarem de e herói. Patética é esta esquerda corrupta e atrasada. Daniel Melo.

LEAVE A REPLY