O pior não pode demorar

Por Edilson Martins*

Somente durante o ano passado a Amazônia perdeu 790 mil hectares de floresta, recorde da última década.

Este é o ritmo de destruição da maior floresta tropical do que restou do planeta.

É o que informa o boletim do Imazon, que pesquisa a região.

O repórter Romerito de Aquino, amazônida, vem produzindo reportagens sobre esse processo terrível, e que o resto do país sequer parece se interessar.

Já destruímos 20% dessas matas, e tão logo alcancemos os 25%, o que não demora, produziremos o feito assustador; ela começa a virar cerrado, as chuvas serão reduzidas, milhões de vida vão desaparecer, os rios secarão, teremos uma catástrofe sem precedentes no mundo contemporâneo.

Principalmente nas regiões Sul/Sudeste – onde se concentra o grosso da população, maior polo industrial do país – a ausência de chuvas será crucial.

Mariana e Brumadinho são um horror, mas serão insignificantes diante da transformação da Amazônia brasileira num grande e terrível cerrado.

É o que nos espera, muito breve.

Ah, sim, a Amazônia tem a metade do território brasileiro.

Este Governo que ora se implanta, precisa tomar juízo.

Ouvir menos o agronegócio, lhe ser menos dócil, ter “escutas”, como diria a Marina em seu linguajar exótico, para os cientistas, os estudiosos, até porque não estamos mais recolhidos na Caverna de Platão.

A irreverência do selfi dos “muleques” excluídos, parece proceder.

Não estamos vivendo à beira do melhor dos mundos.

*O autor é jornalista

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

LEAVE A REPLY