Nem só de multas vive o Ipaam. Em nove meses, 2.515 licenças já foram concedidas

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

ipaam

O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) concedeu de janeiro até setembro deste ano, 2.515 licenças ambientais em todo o Estado. O que representa uma média de 279 por mês. Só em agosto, foram 491 licenciamentos emitidos.

As atividades que mais solicitam licença no órgão são: indústria do Polo Industrial de Manaus com 38%, comercialização de combustíveis com 14%, transporte rodoviário de produto/resíduo com 13%, entre outras.

Outro dado positivo é que a média de porcentagem de licenças emitidas em relação às solicitadas em 2015, que é de 124,8%, já supera a de 2014 que na época foi de 109%.

“Ainda temos o último trimestre e nossa expectativa é que esse número cresça ainda mais. Temos a missão de colaborar para o desenvolvimento do Estado, mas sem descuidar da biodiversidade que temos no Amazonas, que é nossa maior riqueza”, disse a diretora-presidente, Ana Aleixo.

Além da atividade de monitoramento e licenciamento, o Ipaam também atua na fiscalização de ações contra o meio ambiente, como é o caso das queimadas. De 20 a 25 deste mês uma grande operação foi realizada na Região Metropolitana da capital. As equipes estiveram nos municípios de Manaquiri, Careiro da Várzea, Autazes, Presidente Figueiredo, Iranduba, Manacapuru e Itacoatiara. O objetivo da ação foi combater os focos de calor e sensibilizar os produtores rurais para evitar qualquer tipo de queimada.

Ao todo, foram lavrados 11 autos de infração no valor de R$ 165.972,00. Além de realizados, 4 embargos, 2 termos de apreensão e 11 notificações.

As operações de combate aos focos de calor continuam e contam com o Centro Integrado de Multiagências para o Combate às Queimadas no Amazonas (Cimaam). É a partir do Centro que são identificados os focos de calor por imagem de satélite, o que tem contribuído para as ações pontuais de fiscalização, controle e combate das queimadas.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta