Quinze presos e R$ 800 mil apreendidos em nova operação

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

A Polícia Federal (PF) e a Força-Tarefa Amazônia do Ministério Público Federal (MPF) deflagraram, na manhã desta quarta-feira (08), a operação Ojuara, com o objetivo de desarticular um grupo criminoso investigado pela prática de diversas fraudes e atos de corrupção relacionados a processos de fiscalização ambiental contra desmatamentos e grilagem de terras realizadas em municípios do interior do Amazonas.

Foram expedidos dez mandados de prisão preventiva, oito mandados de prisão temporária e 36 mandados de busca e apreensão. São cinco funcionários do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), quatro policiais militares do Amazonas, lotados em Boca do Acre, e pecuaristas que desmatavam o sul do Estado para criar gado, além de pessoas que serviam de “laranjas”.

Parte dos investigados teve ainda o sequestro de bens e valores decretado pela Justiça. As medidas estão sendo cumpridas pela Polícia Federal em cidades do Amazonas e em Rio Branco (AC).

A operação investiga diversas práticas de crimes e irregularidades administrativas envolvendo servidores da Superintendência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) no Acre – que responde pela fiscalização ambiental em parte dos municípios do Sul do Amazonas, agropecuaristas no Estado do Amazonas, sobretudo nos municípios de Boca do Acre e Lábrea (AM), advogados, policiais militares do Amazonas e outros intermediários.

Os investigados responderão, dentro das suas condutas, pelos crimes de associação ou organização criminosa, invasão de terras públicas, formação de milícia, desmatamento ilegal, desmatamento de terras públicas com impedimento da regeneração de floresta, lavagem de dinheiro, corrupção passiva, corrupção ativa, organização criminosa, falsidade ideológica, divulgação de informações reservadas, constrangimento ilegal, ameaça e furto qualificado de madeira da União, entre outros.

Algumas diligências ainda estão em curso em razão da distância dos locais que são alvo das ações serem de difícil acesso por estarem localizados dentro de áreas de floresta.

Até o momento, quinze pessoas foram presas e estão sendo ouvidas na sede da Polícia Federal.

Foram apreendidas cinco armas de fogo, sendo duas espingardas e três revólveres e munições; um avião monomotor; cinco caminhonetes, onze tratores, 7480 cabeças de gado, aproximadamente R$ 800 mil em dinheiro, celulares, mídias e documentos diversos. Os valores em espécie ainda estão sendo contados.

 

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta