Garoto que vivia há nove anos em leito de hospital recebe alta em Manaus

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Há nove anos vivendo no leito da Unidade de Terapia Semi-intensiva do Instituto de Saúde da Criança do Amazonas (Icam), Alex Miranda Gomes, de 12 anos, recebeu alta nesta terça-feira (02/06). Alex era o paciente mais antigo internado na unidade e o retorno para casa foi possível depois que ele foi incluído no Programa Melhor em Casa, do Governo do amazonas, e recebeu equipamentos necessários para a manutenção do tratamento domiciliar.

 O menino é portador de uma miocardiopatia e convive com as sequelas de dois acidentes vasculares hemorrágicos, mas tem o quadro clínico estabilizado.

De acordo com a diretora do Icam, Ana Cristina Oliveira, dispositivos essenciais foram disponibilizados para a desospitalização de Alex, como o respirador mecânico BiPAP, o cilindro de oxigênio, aspirador, oxímetro, nobreak e a cama hospitalar. Além dos itens encaminhados pela Secretaria de Estado de Saúde (Susam), a família contou com a solidariedade de outras pessoas e empresas que doaram ar-condicionado e um televisor de 43 polegadas para o novo quarto de Alex.

A criança é a terceira a deixar o Icam e voltar para casa nos últimos oito meses. “Temos uma equipe multidisciplinar de fisioterapeutas, fonoaudiólogos, psicólogos, então, toda a equipe trabalha com essas crianças que são moradores. Ele (Alex) foi tendo uma evolução com importantes resultados. Então, a partir daí, toda a equipe começou a trabalhar, como sempre em todas as crianças, porque ele tinha um potencial muito grande para sair daqui”, disse a diretora do Icam.

Em casa, Alex receberá acompanhamento semanal de uma equipe multidisciplinar do Melhor em Casa, composta por um médico, fisioterapeuta, nutricionista, psicóloga, assistente social, enfermeiros e técnicos de enfermagem.

Benefícios da desospitalização

Médico pediatra do Icam, Carlos Queiroz explicou quais os benefícios da desospitalização. Segundo ele, o maior envolvimento da família favorece a evolução no tratamento. “É importante que esses pacientes crônicos possam estar na suas casas, no aconchego do seu lar e levando uma vida mais segura (…) sem o risco de uma infecção hospitalar e outras complicações”, explicou o médico.

A mãe de Alex, Silvane Miranda, 39, afirma sonhar que o filho possa se recuperar mais rápido em casa e deixar de depender de um respirador. “Eu nunca perdi a esperança de que ele voltasse pra casa, que um dia ele ia sair e esse dia chegou”, contou a mãe.

Emoção

A despedida do mais antigo paciente morador foi cercada de emoção e homenagens, mesmo em tempos de pandemia. Com uma oração, os profissionais, que acompanharam a criança nos últimos anos, despediram-se de Alex.

“Não existe palavra para definir a alegria da equipe, da direção e da própria Susam de trazer esse paciente para casa, para o convívio da sua família. Isso não tem preço, isso não se compra, isso não se ganha, isso a gente sente e é extremamente emocionante”, finalizou o médico pediatra.

Foto: Gisele Rodriges

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta