Eduardo defende utilização de carteira digital para rastrear vacinação

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Diante das inúmeras denúncias de desvios de doses de vacinas contra a Covid-19 em todo o Brasil para privilegiar a imunização de grupos não prioritários, o senador Eduardo Braga (MDB), voltou a defender a aprovação do projeto de lei nº 5.217/2020 de sua autoria, que tramita na Câmara Federa. A proposta cria a carteira digital de vacinação e o rastreamento do produto na Campanha Nacional de Imunização (PNI) sob responsabilidade do Ministério da Saúde.

O PL foi aprovado pelo Senado no dia 15 de dezembro passado. A carteira digital estabelece medidas de controle, segurança e transparência no processo de imunização no país. O rastreamento refere-se à cadeia de movimentação dos produtos utilizados no programa nacional, da origem ao consumo, abrangendo as etapas de fabricação, importação, distribuição, transporte, armazenagem e dispensação.

Um dos objetivos da proposta é evitar a interferência na autonomia de estados e no PNI, assim como garantir transparência à distribuição territorial das vacinas no Brasil. A carteira de vacinação digital conterá a identificação do portador, as vacinas e os soros aplicados e pendentes, os fabricantes e lotes das vacinas e dos soros utilizados e os eventuais efeitos colaterais identificados.

Desde o início da distribuição da vacina, a imprensa vem divulgando notícias de desvio de doses do imunizante para privilegiar funcionários públicos e personalidades políticas que estão fora dos grupos prioritários estabelecidos pelo PNI. No Amazonas, os tribunais de Contas do Estado (TCE) e de Justiça (TJAM) pediram informações do governo e da prefeitura para investigar a suspeita do desvio de mais de 60 mil doses da vacina distribuídas pelo Ministério da Saúde.

Em suas redes sociais, o senador Eduardo Braga disse que mais do que nunca, se faz necessária a Câmara aprovar o PL 2.517 para garantir mais transparência na distribuição de vacinas no Brasil. “Só assim, com total transparência pública, será possível garantir a vacina contra a Covid-19, neste momento, aos grupos prioritários”, disse o parlamentar do MDB.

O senador voltou a lamentar a falta de oxigênio medicinal nas unidades de saúde de Manaus e do interior, e o grande avanço da doença no Amazonas, que nesta semana ultrapassou mais de 6,2 mil mortes e 240 mil infectados. Quarta-feira (20/01), o Estado registrou o recorde de mais de 5 mil casos confirmados de Covid-19, e 148 óbitos.

Foto: Vagner Carvalho

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta