Deputado quer que ministro explique 700 demissões na Eletrobras

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

A demissão em massa de, aproximadamente, 700 funcionários da Eletrobras Amazonas Energia, anunciada em fevereiro deste ano, deverá ser explicada pelo Ministro de Estado das Minas e Energia, Fernando Coelho Filho. É o que prevê o Requerimento protocolizado nesta semana pelo deputado federal Gedeão Amorim (MDB), pedindo esclarecimentos sobre os desligamentos que irão afetar centenas de famílias, na capital e interior do Estado.

Na semana passada, Gedeão se reuniu com o presidente do Sindicato  Sindicato dos Urbanitários do Amazonas (STIU-AM), Edney Martins, para tratar da questão. “Este, definitivamente, não é o momento para que este assunto seja trato dessa maneira, levando em consideração os altos índices de desemprego que já assola o Brasil inteiro. Colocar 700 servidores na rua, alguns que já trabalham há mais de 20 anos na empresa não é simplesmente mandar embora para a casa”, alerta o deputado.

Edney Martins agradeceu a iniciativa do deputado federal e disse que além de ficar sem emprego, os ex-funcionários da Eletrobras temem ficar sem as suas indenizações por tempo de serviço. “Essa é uma demanda que estamos levando ao deputado para a devida explicação por parte do ministério”, afirmou.

No requerimento, o parlamentar cobra, ainda, o teor do comunicado que foi enviado aos servidores envolvidos e a justificação do fato, assim como o contrato assinado pelo funcionário e empresa no momento da admissão. “Além dessas informações precisamos saber os incentivos e as datas para os desligamentos além de detalhes sobre os acordos feitos com esses funcionários e o sindicato da categoria”, questiona Gedeão.

Privatização

As demissões de funcionários do setor fazem parte do processo de privatização que a estatal vem passando. No dia 8 deste mês, os acionistas deliberaram que a Eletrobras irá privatizar distribuidoras dos estados do Norte e do Nordeste. Ao todo, as empresas somam R$ 19,7 bilhões em dívidas e encargos, superando o valor que custam em R$ 9,5 bilhões, segundo o governo federal.

O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas do Estado do Amazonas  já recorreu junto à Justiça do Trabalho, para impedir as essas demissões em massa que a Eletrobras deve realizar nos próximos meses.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta