Deputado propõe adicional de periculosidade para profissionais de Saúde no AM

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Sensibilizado com a enorme carga de trabalho imposta pela pandemia do coronavírus aos profissionais de saúde no Amazonas, o deputado Belarmino Lins (PP) propôs ao governador Wilson Lima e ao prefeito de Manaus, David Almeida, a realização de urgentes estudos visando a concessão, de forma excepcional, de um adicional de periculosidade aos salários de todos os trabalhadores de saúde durante três meses, compreendendo os meses de janeiro, fevereiro e março e podendo prolongar-se enquanto perdurar a pandemia no Estado.
Devido a super exposição dos trabalhadores, sejam eles médicos, enfermeiros ou outros agentes engajados no combate ao coronavírus nas redes hospitalares estadual e municipal, o deputado entende ser justo o Estado e o Município de Manaus recompensarem financeiramente os esforços de cada profissional em atividade nos estabelecimentos de saúde.

“A título de esclarecimento – discorre o deputado -, convém frisarmos que periculosidade é diferente de insalubridade, que já existe e possui lei que estabelece um percentual que varia de 20% a 40%, enquanto periculosidade é um fato novo, referente a um estado de risco, de perigo da contaminação dos profissionais de saúde pública pela pandemia viral, falo do perigo da contaminação e médicos, de enfermeiros, de técnicos de enfermagem e de outros trabalhadores de saúde na luta pela preservação de vidas”.

Segundo Belarmino Lins, o atual estado de calamidade vivido pelo Amazonas em função da pandemia, com o preocupante aumento dos casos de infectados e de óbitos no Estado, exige redobrados esforços dos trabalhadores de saúde, tornando a concessão do novo adicional “uma questão de justiça”.

“Reconhecemos que os profissionais de saúde, neste momento de forte pandemia, exercem atividades de altíssimo risco, contatando diretamente com pacientes portadores do coronavírus, completamente expostos à contaminação na sua luta para salvar seus semelhantes. Por isso, entendo que a compensação financeira que solicitamos ao Governo do Estado e à Prefeitura de Manaus é uma questão profundamente humanitária”.

De acordo com o parlamentar progressista, seja em hospitais ou em clínicas, os trabalhadores de saúde diariamente são obrigados a enfrentar situações de grande risco, “e o pior, afirma ele, é que essa situação poderá ficar mais grave com o flagrante déficit de profissionais que já existe em consequência da pandemia desenfreada, a sobrecarga de trabalho é super estressante e desumana”.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta