Deputado defende a permanência dos bombeiros civis para evitar o desemprego

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

dallas 2

O deputado estadual Wanderley Dallas (PMDB) disse hoje temer que, se o governador José Melo (PROS) promulgar o Projeto de Lei nº 173/2015, aprovado na semana passada na Assembleia Legislativa do Amazonas, cinco mil bombeiros civis percam seus empregos. O projeto, de autoria do deputado Orlando Cidade (PTN), desobriga a presença de bombeiros civis em empresas do Polo Industrial de Manaus.

Pelo fato do projeto desobrigar empresas industriais de manter bombeiros civis, se elas comprovadamente atenderem às obrigações dispostas nas normas de Segurança e Saúde do Trabalho e possuírem o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB), emitido pelo Corpo de Bombeiros Militar do Estado, a categoria será prejudicada. “Fui procurado por vários profissionais bombeiros preocupados com o desemprego”, disse.

O projeto acrescenta o inciso IV no Artigo 8º, à Lei nº 192, de março de 2014, que trata sobre a presença de bombeiros civis em edificações, áreas de risco ou eventos de grande concentração pública, no Amazonas. O acréscimo do artigo, segundo Dallas, que não votou favorável ao projeto, é danoso à categoria. “Fico preocupado com o que pode acontecer tendo esses profissionais fora do mercado de trabalho, diante dos constantes focos de incêndio registrados em Manaus e no interior”, frisou.

Segundo Dallas, os bombeiros civis atuam desde a prevenção ao combate a incêndios. Como são aproximadamente 800 militares efetivos para combater os focos de incêndio no Estado, o que é um número insignificativo, comparado as dimensões continentais do Amazonas, o deputado diz que se faz necessário presença dos bombeiros civis.

“Que o líder do governo, deputado David Almeida (PSD), e os demais deputados que votaram favorável ao projeto, não permitam que o mesmo seja promulgado, pois caso isso ocorra cinco mil pais de família ficarão desempregados”, finalizou.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta