Decreto das bicicletas pode ser revisto pelo Ministério da Economia amanhã

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

As reivindicações do senador Eduardo Braga (MDB) e dos parlamentares federais do Amazonas contra a redução do imposto de importação de bicicletas obrigaram o Ministério da Economia a colocar o assunto na pauta de deliberações de amanhã, quarta-feira (17/03), do Comitê Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior (Camex).

Em 18 de fevereiro, o colegiado tornou pública uma resolução que determinava a redução gradual da alíquota de importação do produto: de 35% para 30% em março, 25% em julho e 20% em dezembro. A iniciativa compromete a atividade de mais de 380 empresas do segmento em atuação no país, inclusive na Zona Franca de Manaus (ZFM), que empregam aproximadamente 20 mil trabalhadores.

A retomada do debate sobre o assunto no comitê ocorre após a bancada do Amazonas criticar publicamente a resolução e se mobilizar no âmbito do Congresso Nacional para derrubá-la.

Nesta terça-feira (16/03), o plenário do Senado votaria o projeto de decreto legislativo (PDL 87/2021) apresentado por Eduardo Braga para anular a decisão do órgão vinculado à pasta da Economia. A matéria conta ainda com as assinaturas dos senadores Omar Aziz (PSD), que assumiu a relatoria dela, e Plínio Valério (PSDB).

Diante da informação de que o colegiado pretende rediscutir o assunto, Eduardo pediu ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM/MG), para que o projeto seja apreciado somente na quinta-feira (18/03), a depender da nova decisão da Camex.

“Temos a expectativa de haver uma reversão da resolução anterior, portanto assegurando a geração de empregos e estabelecendo uma política de estímulo à competitividade em nível nacional e em nível internacional”, disse Eduardo.

Líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB/PE) afirmou que haverá uma saída para o impasse. “O ministro Paulo Guedes (da Economia) me asseverou que essa reunião da Camex deverá encontrar uma solução satisfatória para a indústria de bicicletas e preservando os empregos”, declarou.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta