Brasil, vitorioso país de traficantes

Por Edilson Martins*

Primeiro o escambo do ciclo do Pau Brasil. Escravização que se revelaria à quem do que viria depois.

Pelo menos durante a primeira metade do século 16. Ao longo de todo o litoral.

Portugal já dominava o açúcar, e logo depois, cessado praticamente o ciclo do Pau Brasil, a bola da vez é o da Cana,

Escravização muito mais brutal, posto ser preciso prear os índios, retirá-los da selva, prendê-los no interior do engenho, mas para mover as peças precisavam ser soltos.

Os bandeirantes paulistas, com suas Entradas e Bandeiras, fizeram isso com competência e crueldade.

Mas terminavam fugindo.

Os donos de engenho são alertados para a alternativa do tráfico negreiro, procedente da África, muito menos complicadas, menos volátil.

Os índios, nessa atividade, surgem outras, são descartados, e entram os negros, e surgem os grandes e poderosos traficantes de escravos.

Essa gente poderosa, que alimenta a Colônia e mais tarde a monarquia, torna-se a força política de sustentação, dando as cartas no país, até 1889.

Para muito não se alongar, em epístola tão desagradável, inconveniente, imprópria, o Brasil, ao longo de sua história, nunca anulou, desprezou os traficantes.

Pelo contrário, com eles tem vivido até hoje em certa harmonia.

Alguns, no Império, foram condecorados, receberam títulos de nobreza.

*O autor é jornalista

LEAVE A REPLY