Antigo prédio da CMM, agora Centro de Arqueologia, é entregue, homenageando Miquéias

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Mais um importante espaço que resgata parte da história e cultura da capital amazonense e reforça a ressignificação da área central da cidade está inaugurado. “Nós restauramos uma obra de arte”, definiu o prefeito Arthur Virgílio Neto ao entregar nesta quarta-feira, 23/12, o Centro de Arqueologia de Manaus (CAM), localizado no prédio da antiga Câmara Municipal, na avenida 7 de Setembro, que foi totalmente restaurado. A obra, que integra o programa “Manaus Histórica” de restauro de prédios públicos e que terá o viés de museu, recebe o nome do ex-vereador e ex-deputado estadual Miquéias Matias Fernandes, um dos políticos mais atuantes e influentes da cidade, desde a década de 1980.

“Esse local onde era a antiga Câmara Municipal não podia ter outro nome a não ser o do tão atuante vereador Miquéias Fernandes, que aqui trabalhou. Fiquei emocionado junto com sua família e muito honrado em poder fazer esta homenagem a uma pessoa tão querida. A obra em si foi feita de maneira belíssima, resgatamos mais ainda a história de Manaus, um patrimônio que não tem como mensurar seu valor. É muita beleza, dá impressão de estarmos visitando um espaço de arte europeu”, declarou o prefeito Arthur, acompanhado da presidente do Fundo Manaus Solidária, a primeira-dama Elisabeth Valeiko Ribeiro.

A obra, coordenada pelo Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb) e aprovada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), consolida a proteção, divulgação e promoção do patrimônio arqueológico da cidade. Um dos conceitos utilizados será o de musealização da arqueologia, método aplicado como recurso de exposição pública, conservando os remanescentes in situ (no local achado), com técnicas museográficas. O espaço terá a gestão da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult).

“Esse prédio tem um significado muito nobre para todos nós, compõe todo um conjunto arquitetônico do centro histórico, que é reconhecido pelo Iphan como Patrimônio Cultural Brasileiro pelo fato de ser representativo na história e na memória da sociedade. Este restauro é mais um, realizado pelo prefeito Arthur Neto, que une o sustentável com o contemporâneo. O prefeito gosta da nossa história, fez muito pelo nosso centro histórico e está de parabéns”, disse a superintendente do Iphan no Amazonas, Karla Bitar.

Familiares do parlamentar prestigiaram a inauguração e além de agradecer a homenagem, fizeram votos de que o CAM seja mais uma opção de espaço de conhecimento para o público.

“É uma honra ter um espaço tão importante para a cidade com o nome em homenagem ao meu pai, que viveu em prol do povo manauense ocupando cargos públicos, ainda mais aqui neste prédio, onde trabalhou quando foi vereador. Nossa família agradece ao prefeito Arthur Neto e esperamos que o local seja de grande proveito para Manaus”, salientou o filho do homenageado, Miquéias Júnior.

Para atender as disposições sobre conservação de bens arqueológicos móveis, a proposta de reabilitação do prédio da antiga Câmara Municipal tem uma sala de triagem, uma reserva técnica e um laboratório, com uma entrada com rampas para atender Pessoas com Deficiência (PcDs). No bloco de frente para a avenida 7 de Setembro há duas salas para extroversão no lado leste e no lado oeste uma ampla sala para palestras e exibição de conteúdos multimídia, uma sala de estudos, uma para monitoramento de câmeras e um guarda-volumes.

No bloco central de ligação das duas edificações, estão implantados uma loja para venda de suvenires, um café e uma pequena copa, além de banheiros. Parte das paredes das salas de exposição e de palestras deixa exposto o sistema construtivo, de alvenaria em pedras de mão, tipo arenito Manaus. No pátio interno de interligação dos blocos haverá uma área de contemplação. Os ambientes dedicados às exposições contêm duas salas interligadas formando um circuito. O espaço tem ainda sala de estudos, que terá máquinas com acesso à internet, disponíveis para pesquisa e um acervo bibliográfico para consulta.

O prédio conta com laboratórios, além do restauro e da administração do CAM, e um mezanino como extensão à sala de estudos. Ao lado da sala de múltiplos usos destinados a projeções, palestras e diversas atividades culturais, haverá um espaço de transição, que além de abrigar gabinetes de estudo, acervo bibliográfico, abriga um conjunto dedicado a pesquisa e estudo em grupos. No pátio central há tratamento acústico permitindo atividades expositivas e culturais, bem como extensão dos serviços do café.

Restauro e pesquisa

Entre os últimos trabalhos realizados na pesquisa arqueológica, feitos durante o restauro, está a ampliação de uma unidade na trincheira do pátio, a fim de evidenciar os remanescentes arqueológicos nesse local e conservá-lo para a exposição pública. Essa é uma unidade expositiva com evidenciação de um vasilhame, que ficará exposto com a técnica da superfície em vidro e tratamento museográfico. A expografia é uma forma de comunicação de museus e centros de cultura, onde é estabelecido o diálogo entre o acervo e o visitante.

Em outra sala de exposição do Centro de Arqueologia, o visitante pode conferir um corte estratigráfico (por camadas) do terreno no interior da edificação histórica, exibindo um trecho do solo e da cultura material, evidenciada durante a intervenção. A empresa Biapó foi vencedora da licitação, que realizou a restauração da antiga sede da Casa Legislativa Municipal. Esse procedimento demonstrou que o subsolo da edificação histórica sofreu alterações durante o tempo. As camadas arqueológicas não estavam o tempo todo depositadas de maneira natural. Em alguns momentos o solo já estava alterado por intervenções anteriores.

Análises comparativas, pesquisas anteriores e a cultura material resgatada na obra potencializaram a importância do chamado “sítio Manaus”. A pesquisa arqueológica revelou ainda fragmentos de cerâmicas pré-históricas de várias tradições de ocupação da Amazônia. O material resgatado e o salvamento arqueológico atestam a diversidade e a pluralidade cultural da ocupação. Manaus foi construída, os vilarejos e afins, em cima de sítios arqueológicos.

Durante os trabalhos, a equipe de arqueologia encontrou escombros originários de outras reformas na edificação e foi em um dos porões obstruídos, abaixo do contrapiso, a mais de 1,10 metros de profundidade, que se revelou os remanescentes arqueológicos, que podem estar relacionados às práticas mortuárias. Os remanescentes coletados apontam para a formação de um sítio arqueológico multicomponencial (que integra domínios de várias ciências), com testemunhos de culturas pré-históricas e europeias.

Homenageado

Miquéias Fernandes nasceu em Boa Vista (RR), no dia 28 de agosto de 1950, e se formou em Direito pela então Universidade do Amazonas (UA) – hoje Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Foi vereador de 1989 a 1991 e ocupou o cargo de vice-presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMM). Foi deputado estadual do Amazonas por três vezes, exercendo várias lideranças na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam). Em 2016, Miquéias recebeu o título de Cidadão do Amazonas, na Aleam.

Foto – Mário Oliveira

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta