Advogados pedem monitoramento do MPAM em manifestação por democracia hoje

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print
Após protestos em algumas cidades do país, nesta terça-feira (2) chega a vez da capital amazonense receber,  a partir das 14h, na avenida Djalma Batista, em frente ao posto 700, uma mobilização pró-democracia.  Membros da sociedade civil organizada vão se unir contra os movimentos antidemocráticos, que incitam o ódio, o preconceito e o fascismo.
Para evitar confrontos ou abuso de autoridade durante o protesto, um grupo de advogados de Manaus decidiu acompanhar o ato, com o objetivo de salvaguardar a segurança de quem for às ruas.
No documento enviado à Procuradora Geral de Justiça do Amazonas, Leda Mara Nascimento Albuquerque, o grupo pede a participação do Ministério Público do Amazonas (MPAM) para que sejam tomadas as medidas cabíveis no sentido de assegurar o controle externo da atividade policial, evitando ilegalidades e abuso de poder ou autoridade. De acordo com o advogado Marcelo Amil, a decisão de participar da manifestação é garantir ao cidadão o direito constitucional de manifesta-se.

“O momento no país é delicado e a situação política é grave. Esta será a hora onde todas as pessoas que acreditam que a democracia é o melhor caminho, poderão se unir. A decisão de formar o grupo com os advogados é justamente garantir que o ato seja pacífico, sem interferência de opositores ou da força policial desnecessária”, disse.

Além dos advogados, sociólogos, professores e demais categorias assinaram a petição pedindo que o Ministério Público envie promotores de Justiça para acompanharem o ato pacífico. A medida foi solicitada após ameaças nas redes sociais e registro de truculência policial nos demais estados brasileiros onde foram realizadas manifestações pró-democracia.

Ameaças

Em Manaus, houve ainda um registro de ameaça feita por parte de um militar. Em um post, o policial disse que estava com “as balas de borrachas preparadas” para o ato, deixando nas entrelinhas uma mensagem de abuso de poder, com a possibilidade de ataque a quem participar do movimento. A ameaça caiu como uma bomba e virou polêmica nas redes sociais.

“Justamente por conta desse tipo de ameaça é que o grupo estará pronto, junto com a promotoria, para garantir a segurança das pessoas. Não vamos deixar que violem o direito constitucional de livre manifestação do pensamento. Nós vamos garantir que o ato democrático seja aconteça da melhor forma possível”, declarou Amil.

Manifestação


O movimento, segundo os organizadores, é uma ação da população “contra os retrocessos sociais impostos pelo governo Bolsonaro e contra o genocídio da população pobre e negra no Brasil”. A morte do adolescente João Pedro, de 14 anos, no Rio de Janeiro, durante uma operação policial é uma das bandeiras do movimento, que também faz críticas as alusões aos nazismo e ao fascismo feitas pelo presidente Jair Bolsonaro.
Em Manaus, o ato é coordenado por integrantes do movimento Amazonas pela Democracia, que nasceu nas redes sociais.

 

 

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta