A política tradicional venceu

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email

No primeiro turno das eleições uma parcela significativa do eleitorado de Manaus escolheu os candidatos Amazonino Mendes (Podemos) e Davi Almeida (Avante). Ambos expressaram nos discursos e nas peças de propaganda as experiências e as realizações em gestões públicas, como elos condutores na busca de confiança do eleitor, que se mostra tão decepcionado com a maioria dos atuais políticos, num pleito majoritário que aconteceu sem ousadia, sem a busca do novo na política e com destaque aos valores e práticas tradicionais na política amazonense.

         Nas eleições de 2018, o discurso do novo contra a política tradicional prevaleceu em muitos estados. Saíram vencedores governadores, senadores, deputados federais e estaduais que não possuíam qualquer experiência de gestões públicas, de parlamento e de militância partidária. No Amazonas, o jovem jornalista Wilson Lima foi eleito com uma expressiva votação disputando por uma pequena sigla partidária contra os experientes Amazonino Mendes, Davi Almeida, Omar Aziz e outros.  

     Porém, nas eleições de 2020, o grupo político fundado por Gilberto Mestrinho, logo no início dos anos 80, com expoentes como Amazonino, Eduardo Braga e seus descendentes, Omar Aziz, José Melo, Alfredo Nascimento e Davi Almeida, ganhou fôlego e tem dois representantes no segundo turno, indicando que parte do eleitorado de Manaus preferiu apostar novamente nos representantes da política tradicional de Mestrinho.

     Embora, nas últimas décadas, tenham acontecido conflitos e disputas eleitorais fervorosas entre membros do próprio grupo tradicional pelo controle das administrações públicas, a velha fórmula política cunhada por Mestrinho continua: culto ao personalismo, obrismo, administração sem a participação da sociedade nas decisões, conflito entre o interesse público e o privado, e outras já bastante conhecidas dos eleitores. Há ainda o agravante dos escândalos de corrupção na área da saúde e nas licitações públicas, sendo tratados por muitos deles, apenas como fake news dos adversários.  

     Amazonino é o maior vencedor de disputas eleitorais e é detentor de inúmeras realizações em várias áreas: construiu hospitais, universidade, estradas, portos, bumbódromos, escolas de ensino médio, delegacias de polícia, viadutos e outras; Davi Almeida foi levado a elite do grupo pelas mãos de Omar Aziz e de José Melo, ele já foi líder de governo, presidente da Assembleia Legislativa e governador do Amazonas por 04 meses, onde promoveu realizações no setor da educação e da segurança, além de redução de imposto.  

       Amazonino e Davi divergem no tempo de experiências em governos, na quantidade de obras realizadas, nos atos praticados e na idade. Amazonino realizou mais, tem mais experiência e chega numa disputa eleitoral com 80 anos de idade prometendo pouco, acreditando na confiança popular que detém; Davi não realizou tanto, não tem muita experiência, não diz que é o novo na política, mas vem fazendo muita promessa.

      Agora, no segundo turno, cabe aos eleitores, que não votaram em Amazonino Mendes e nem em Davi Almeida, optarem entre os dois descendentes da mesma matriz política que marcou e marca as gestões públicas no Amazonas, com legados positivos e também, legados negativos.

   Independentemente do nome do vencedor do pleito municipal do dia 29 de novembro, o grupo político de Mestrinho continuará vivo, numa versão de mais experiência e realizador ou numa versão de poucas realizações, muita promessa e de idade menor. O eleitorado decidirá.

*O autor é sociólogo, analista político e advogado

Qual Sua Opinião? Comente: