Wilson se reúne pela primeira vez com uma comissão de professores, em Manicoré

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

O governador Wilson Lima conversou, nesta terça-feira (30/04), com uma comissão de professores do município de Manicoré (a 302 quilômetros de Manaus). No primeiro encontro com representantes da categoria, ele reafirmou o compromisso do Governo do Amazonas de manter o diálogo e falou sobre as limitações fiscais do Estado para conceder um reajuste maior aos profissionais da educação. Wilson Lima esteve em Manicoré para entrega de ajuda humanitária a famílias atingidas pela cheia do rio Madeira. 

“Nós estamos conversando com todos os sindicatos. A comissão já sentou com o secretário de Fazenda, com o secretário de Educação, com o vice-governador e chefe da Casa Civil. Por que é importante a conversa com essas pessoas? Elas são os técnicos. Eles vão dizer o que é possível a gente fazer. No início do ano eu dei reajuste de 9,38% para os professores e estou dando agora a data-base de 3,9%”, disse o governador.

Segundo Wilson Lima, a reposição da data-base de 2019 só não foi paga até o momento porque há um impasse entre os sindicatos que representam a categoria. “E nós também estamos discutindo outros pontos em que a gente pode avançar”, completou.

O governador deixou claro que o que é de direito e amparado legalmente, o Governo não deixará de fazer. “O que for de direito, pode ter certeza que eu vou garantir. Não tenho menor problema com relação a isso. Só que eu tenho limitações orçamentárias, financeiras e se eu der qualquer reajuste além da inflação dos últimos doze meses eu vou ferir a Lei de Responsabilidade Fiscal e eu vou ser preso. Eu e meu secretário de Fazenda e isso não vou fazer”, frisou.

Aos representantes de professores de Manicoré, Wilson Lima também disse que a categoria vem acumulando perdas há décadas e que a atual situação fiscal do Estado não permite resolver, de imediato, as perdas passadas.

“Eu venho conversando com todo mundo. O mesmo reajuste que eu dei para os policiais militares, eu dei para os professores. A diferença é que para os professores eu já paguei reajuste no mês de janeiro e estou dando agora 3,9%. É o ideal? Não. A gente está muito longe de chegar a esse nível de excelência e de compensação, de reconhecimento do profissional da educação. Há quanto tempo vocês vêm sendo desvalorizados? Há quanto tempo que não reconhecimento da categoria? A gente vai resolver isso em quatro meses?”, ponderou.

Um dos professores de Manicoré, José Antônio, reconheceu que a categoria está dividida e isso dificulta as negociações.  “Nós sabemos que a categoria encontra-se dividida em termos de reivindicação. Eu concordo que pode ser até um pouco cedo, mas eu tenho convicção que nós estamos exercendo nosso papel”, disse o professor.

À ESPERA

Mais cedo, em nota, o Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), disse que quer apresentar na quinta-feira (02/05), aos representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam) e Sindicato dos Professores e Pedagogos de Manaus (Asprom-Sindical), a análise dos estudos econômicos entregues por eles hoje, dia 29 de abril.

A Sefaz, no entanto, está esperando a indicação dos nomes dos representantes do Sinteam para marcar horário e local da apresentação do estudo técnico. Os representantes do Asprom já foram definidos.

“Nós avaliamos tudo o que nos foi passado; vimos detalhadamente os dados e queremos, agora, apresentar nossa contraproposta. Mas precisamos dos nomes dos representantes do Sinteam senão não temos como avançar”, disse o secretário estadual de Fazenda, Alex Del Giglio.

Durante reunião com o vice-governador Carlos Almeida Filho, na segunda-feira (29/04) à noite, ficou acertado que técnicos da Sefaz avaliariam os estudos e discutiriam com os professores indicados pelos sindicatos e estes levariam para avaliação da categoria.

Outra posição que ainda não foi definida pelos representantes sindicais é se o governo pode enviar imediatamente à Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM) o projeto de lei concedendo de imediato o reajuste de 3,93-% referente à reposição da inflação do período de 12 meses até a data-base, em março de 2019.

Carlos Almeida Filho disse que depende somente de autorização dos sindicatos para fazer isso. “Podemos enviar nova lei no futuro caso a negociação avance, mas já gostaríamos de assegurar imediatamente os 3,93% e não fazemos porque estamos esperando autorização dos sindicatos”.

AJUDA HUMANITÁRIA

O governador Wilson Lima entregou, nesta terça-feira (30/04), em Manicoré (a 332 quilômetros de Manaus em linha reta), kits de ajuda humanitária para as famílias atingidas pela cheia do rio Madeira. O município é um dos 12 que já decretaram situação de emergência por causa da cheias dos rios no Amazonas. Segundo a Defesa Civil, 17.787 pessoas estão afetadas pela cheia do rio Madeira, totalizando 4.447 famílias, sendo que 20 estão desabrigadas e 680 desalojadas.

A ajuda humanitária para as famílias vítimas da enchente está sendo entregue mais cedo neste ano, em abril, enquanto em outros anos era entregue a partir de agosto. “Essas famílias mal tiveram tempo de se recuperar da cheia do ano passado, por isso viemos até aqui e agilizamos a entrega desse material. Nós temos feito um esforço muito grande para que essa ajuda chegue no momento em que as pessoas estão precisando. Tão logo seja decretado estado de emergência e tão logo a gente tenha superado as questões legais, o Governo do Estado já começará a agir para que as pessoas possam receber o atendimento no momento em que elas precisam”, frisou o governador.

Ao todo serão entregues 3.651 cestas básicas, 8.590 kits higiene, 2.147 kits com redes, lençóis e mosqueteiros, 2.147 kits limpeza, 215 colchões, 215 jogos de cama, 215 travesseiros e 6 sistemas de purificação de água Salta-Z (Solução de Abastecimento de Água por Zeólita), que foi desenvolvido por servidores da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e também segue o princípio de sustentabilidade, utilizando materiais ecologicamente corretos e custam cerca de 25% menos que os modelos tradicionais.

O Salta-Z é considerado uma solução inovadora pela capacidade testada, comprovada e certificada pela Funasa em purificar água imprópria em água potável. Além de ser simples, o sistema consegue atender a necessidade de consumo para beber e cozinhar de mil pessoas por dia.

Em Manicoré, o governador Wilson Lima inaugurou o primeiro sistema de purificação de água na comunidade Nova Jerusalém. “O sistema Salta-Z garante o atendimento de mil pessoas por dia a um custo baixo para o Estado. Cada sistema desse custa em torno de 15 mil reais e vai ficar permanentemente aqui. Não precisa trocar filtro, apenas usar os insumos, que são dois produtos: o sulfato e o cloro. E aí, como eu mostrei aqui, a água pode ser captada de uma cacimba, de um poço ou mesmo do rio, e sai pronta para o consumo”, explicou Wilson Lima.

O prefeito de Manicoré, Sabá Medeiros, destacou que muitas famílias vão receber a ajuda humanitária ainda com as casas embaixo d’água, o que não acontecia anteriormente. “Estamos recebendo a ajuda humanitária em abril. No ano passado foi em agosto. Nós queremos agradecer porque estamos recebendo mais cedo e uma quantidade superior de insumos que nunca recebemos”, ressaltou Medeiros.

A família da produtora rural Maura de Araújo Cavalcante é uma das 2.147 que vão receber cestas básicas, kits de higiene, colchões, travesseiros e outros materiais. “Com certeza vai ajudar. A gente estava muito necessitada por causa da enchente, que levou toda a nossa produção”, disse.

O morador Valdiclei Silva de Sá, que usa água de uma cacimba sem passar por nenhum tipo de tratamento e ainda enfrenta escassez durante o verão, ficou feliz com a novidade que irá trazer mais saúde para a população do município. “No verão, as cacimbas secam e não tem como cavar mais porque dá na areia. E essa água causa diarreia, vômito e outros tipos de doença”, afirmou.

Todas as calhas receberão o Salta-Z – Manicoré é um dos primeiros municípios a receber o Salta-Z, que o Governo do Amazonas, por meio da Defesa Civil, vai instalar em comunidades que compõem as nove calhas na região Amazônica. Serão aproximadamente 400 purificadores de água, de acordo com o  secretário executivo da Defesa Civil do Amazonas, tenente-coronel BM Francisco Máximo.

“As populações ribeirinhas estão expostas a muitos problemas por falta de água potável para beber. E o governador determinou que buscássemos alternativas para minimizar essa problemática. A solução veio por meio do Salta-Z. Ao invés de levarmos água, levaremos purificadores de uso coletivo que permitirá o consumo permanente”, explicou o titular da Defesa Civil do Amazonas.

O Governo do Amazonas vai garantir inicialmente 64 unidades da Solução de Abastecimento de Água por Zeólita para os municípios em situação de emergência das calhas do Juruá, Purus e Madeira.

O governador Wilson Lima também anunciou em Manicoré a retomada de obras importantes para o município, dentre elas a recuperação do sistema viário. As obras estão previstas para iniciar assim que o período de chuvas terminar. O governador também anunciou a finalização da construção do Centro de Convivência da Família, a melhoria das vias da comunidade do distrito de Santo Antônio do Matupi e, também, a construção da delegacia de polícia da comunidade. As obras fazem parte do pacote de obras anunciado pelo governador em março deste ano, que irá atender as necessidades dos municípios do interior do Amazonas a partir da transparência e compromisso com os cidadãos, trazendo qualidade de vida para a população amazonense.

“Nós vamos retomar o viário assim que começar o período de estiagem. Nós precisamos esperar passar esse momento da chuva e, assim que o sol sair, vamos retomar o trabalho que estava sendo feito para a recuperação do sistema viário e também vamos concluir a delegacia do distrito de Matupi”, disse Wilson Lima.

Foto: Diego Peres 

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta