Tributo a Zezinho Corrêa

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Mais um amigo que se vai, “Zezinho Corrêa”, vítima da COVID.

Um símbolo de nossa cultura, que eu tive o privilégio de ver e incentivar seus primeiros “passos”, nos eventos que promovíamos pelo DCE da UFAM nos idos dos anos 80.

Dizer que todas as mortes decorrem da incompetência e da irresponsabilidade dos governantes (federal, estadual e municipal) seria leviano, porque a pandemia é um fato real e não foi obra deles.

Mas negar que eles são responsáveis por centenas de mortes pelo fato de que não fizeram praticamente nada para combater essa pandemia e reduzir seus efeitos, não é apenas uma ingenuidade; isso, me desculpem, se assemelha a cumplicidade mórbida com o crime.

E por que o ato é criminoso?

Porque eles negaram a ciência; incentivaram o povo a se aglomerar; tomar remédios sabidamente ineficaz; a não usar máscaras; não providenciaram vacina a tempo; não garantiram leito hospitalar, UTI e nem mesmo o elementar oxigênio.

Amigos, parentes e colegas de trabalho morreram asfixiados e uma parcela que sobreviveu foi graças a solidariedade popular.

Fizemos dezenas de coleta para comprar máscaras, oxigênio, medicamentos, cestas básicas e outros insumos para que pudessem enfrentar essa tragédia.

Meus sentimentos profundo à família e a sua legião de amigos e admiradores.

Qual Sua Opinião? Comente: