TCE-AM orienta gestores sobre contratos temporários de professores

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Em decorrência da pandemia ocasionada pelo novo Coronavírus (Covid-19), o Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM), por meio da Secretaria-Geral de Controle Externo (Secex) e do Departamento de Auditoria em Educação, emitiu, na última sexta (1°), uma Nota com Orientação Técnica nº (01/2020), com o objetivo de orientar quais as condutas devem ser adotadas pelas prefeituras em relação aos contratos temporários de professores, tendo em vista a suspensão das aulas motivadas pela pandemia da Covid-19.

Baseada em recomendações de outros Tribunais de Contas e, em especial do TCE-MT, a orientação técnica apresenta alguns princípios basilares da administração pública, que podem servir de guia para os gestores públicos.

Segundo a orientação técnica, criada por determinação do conselheiro-presidente do TCE, Mario de Mello, levando em consideração o cenário internacional de emergência e as medidas referenciais já adotadas pelos diferentes entes públicos, inclusive os Governos Federal e Estadual, a suspensão das aulas municipais não deve, necessariamente, implicar na rescisão ou suspensão dos contratos temporários dos professores, apesar da possiblidade legal de rescisão por conveniência administrativa com a respectiva indenização.

Conforme o documento, por se tratar de uma situação emergencial imprescindível (força maior) de alcance mundial, reconhecida por decretos federal e estadual, que tem implicado em medidas de restrições à circulação de pessoas e de orientação de distanciamento social, por exigências de órgãos internacionais, federais (Portaria MS 356/2020), estaduais e municipais, “não seria razoavelmente, nem juridicamente oportuno, dispensar tais profissionais antes do termino de vigência de seus contratos, em vista de não terem dado causa à situação”.

O documento relembra que, ao realizar a dispensa abrupta desses profissionais, os alunos ficariam desamparados no retorno das aulas, visto que o município teria que realizar um novo processo seletivo, o que demandaria tempo e novo dispêndio de recursos públicos em prejuízo a princípios constitucionais como a eficiência e a economicidade.

Propostas de medidas

Afim de evitar possíveis prejuízos na área da educação no retorno das atividades após a pandemia, e para que o município não tenha de realizar pagamento de salários a esses professores sem obter contrapartida devido ao obrigatório isolamento social, o TCE-AM propõe que aos órgãos, que adotem medidas excepcionais, para, também, preservar o emprego e a renda.

Entre os procedimentos propostos pelo TCE, adotado por diversos órgãos da administração pública, inclusive, pela Corte de Contas, está o uso de recursos tecnológicos para ministrar aulas à distância, com envio e acompanhamento de atividades para alunos, para que possam contar como carga horária e avaliações. Dessa forma, os professores temporários atuariam em home office (teletrabalho).

Em relação aos municípios em que o acesso a esses recursos inviabilize tal possibilidade, o Tribunal orienta que os professores elaborem atividades e pesquisas em material físico para que as unidades educacionais, adotando medidas cabíveis de proteção, realizem a entrega aos alunos.

Esta é a segunda Nota Técnica de Orientação aos gestores públicos neste período de isolamento social provocado pela Covid-19. Outras quatro notas estão sendo confeccionadas, segundo revelou o secretário de Controle Externo, Jorge Lobo.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta