Sinésio surpreende e derrota José Ricardo na prévia do PT, mas Nacional deve mudar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

O deputado estadual Sinésio Campos, presidente estadual do PT, surpreendeu o próprio partido e venceu ontem a disputa com o deputado federal José Ricardo e com o vereador Sassá da Construção Civil para definir o candidato da legenda a prefeito de Manaus. Só que o resultado da votação dos diretores ainda precisa ser referendado pela Direção Nacional, que chamou para si a escolha dos nomes que disputarão a eleição municipal nas principais capitais do país.

Na votação virtual de ontem no Diretório Municipal, José Ricardo venceu o primeiro turno, com 21 votos, contra 20 de Sinésio e cinco de Sassá. Como o Regimento Interno do partido prevê o segundo turno, caso nenhum candidato atinja mais da metade dos votos, uma nova etapa precisava ser realizada, mas o grupo do deputado federal sugeriu que ocorresse em outra data. Dezenove dos eleitores dele retiraram-se da votação para montar nova estratégia, mas os que permaneceram na sala de vídeo decidiram realizar logo o segundo turno.

Todos os eleitores de Sassá votaram em Sinésio no segundo turno, que contabilizou 25 votos. Apenas os dois apoiares de José Ricardo que permaneceram na sala votaram nele. O Diretório Municipal achou por bem considerar válido o resultado da prévia e indicou o deputado estadual como candidato do partido a prefeito.

PROVÁVEL MUDANÇA

Para a eleição de 2020, o Diretório Nacional do PT mudou o Regimento Interno para avocar para si a decisão sobre as candidaturas a prefeito nas principais capitais brasileiras. Será deste colegiado, portanto, a decisão final.

Aliados de José Ricardo têm certeza de que ele será o escolhido pela direção nacional, mas os apoiadores de Sinésio vão tentar argumentar que, historicamente, o partido respeita a decisão de suas instâncias.

A candidatura de Sinésio nunca foi levada a sério pelo meio político local e se for confirmada muda totalmente a estratégia da esquerda em Manaus. Dificilmente os demais partidos do polo o apoiariam.

José Ricardo padece do mesmo mal que afligiu o ex-deputado Francisco Praciano, seu aliado, por muito tempo: não consegue compor maioria no partido, por causa da própria postura, pouco afeita a conchavos.

Se a Direção Nacional intervir e escolher José Ricardo como candidato, ele pode ter o apoio dos demais partidos de esquerda. O deputado federal já foi mais bem avaliado nas pesquisas, chegando a ter mais de 15% das intenções de voto, mas hoje oscila entre 5% e 8% nos levantamentos mais recentes. A queda animou seus adversários dentro da legenda.

 

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta