Servidores da Saúde do Estado engrossam o discurso e rejeitam proposta do Governo

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Os trabalhadores da saúde, reunidos em assembleia geral na sede do Sindicato dos Bancários, ontem, decidiram rejeitar por unanimidade a proposta apresentada pelo governo. Eles inclusive não aceitaram, por maioria, o que havia sido discutido na Mesa de Negociação. Eles pedem 30% de reajustem mas aceitam receber 25%, sendo 18% agora e mais 7% em maio de 2019, com envio imediato de projeto neste sentido à Assembleia Legislativa.

A contra-proposta refere-se às datas bases não honradas entre 2015 e 2018. Eles rejeitam ainda a proposta de aumento mínimo do vale-alimentação e querem R$ 600 a partir de junho – isonomia com a Segurança.

Sobre o passivo das dívidas salariais acumuladas desde 2015, a Assembleia Geral deliberou por unanimidade por cobrar do governo que proceda os levantamentos financeiros para pagar em quatro anos a partir de 2019, também por meio de projeto de lei encaminhado à Assembleia Legislativa.

Ainda haverá assembleias setoriais durante a semana, mas o discurso endurece e a possibilidade de greve não está descartada.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta