Secretário volta a falar em “reduzir custo fiscal” da Zona Franca na posse de Polsin. Wilson rebate

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

O secretário de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, voltou a falar em reduzir o custo fiscal (incentivos) da Zona Franca de Manaus durante a posse do novo superintendente da Suframa, general Algacir Polsin, agora há pouco. Chegando agora, este último fez um discurso equilibrado e coube ao governador Wilson Lima (PSC) rebater o argumento, enfatizando a necessidade de se manter o modelo de desenvolvimento instalado em Manaus.

Costa, que comandou a solenidade virtual de posse, de seu gabinete em Brasília, já começou o discurso reproduzindo fala insistente do ministro da Economia, Paulo Guedes, no sentido de encontrar novas alternativas de negócios para substituir a Zona Franca. Ele disse que o modelo vem perdendo empresas e empregos nos últimos anos – “à exceção desse último (2019)” – e que é preciso descentralizar e diversificar os investimentos, com menor custo fiscal. Ressaltou, entretanto, que, sem segurança jurídica, as indústrias atualmente instaladas na ZFM não têm como continuar em Manaus.

O governador Wilson Lima, o último a discursar, lembrou ao secretário da importância que a ZFM tem “para o Brasil e para o mundo” e realçou a necessidade de manter o modelo, “até como forma de aliviar a pressão sobre os nossos recursos naturais”. Ainda assim, se colocou à disposição para debater novas alternativas, citando casos específicos, como a produção de açaí, juta e malva.

Polsin procurou se colocar como aliado fiel do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a quem agradeceu pela indicação e elogiou o trabalho feito pelo antecessor, o coronel reformado do Exército Alfredo Menezes, que não participou da solenidade. “Percebi que ele deixou aqui uma equipe coesa e consciente do seu papel”, enfatizou o novo superintendente, que assinou o termo de posse durante o evento. Ele citou a necessidade de manutenção dos incentivos fiscais, mas também falou em novos modelos de desenvolvimento.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta