Samel anuncia saída da administração do hospital de campanha da Prefeitura

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

O Grupo Samel anunciou nesta terça-feira, 9 de junho, o início do processo de transição da gestão do Hospital de Campanha Municipal Gilberto Novaes, administrado em conjunto com o Instituto Transire e a Prefeitura de Manaus. Viabilizada por meio de parceria público-privada, a unidade concedeu mais de 500 altas médicas a pacientes acometidos pela Covid-19 em apenas 58 dias de funcionamento.
Em um vídeo publicado nas redes sociais, os dirigentes da rede privada de saúde fizeram um balanço positivo do período à frente do hospital de campanha, que se tornou referência no tratamento da doença causada pelo novo coronavírus. Além de contribuir na transição, o Grupo Samel irá ceder à prefeitura um projeto com orientações técnicas visando à continuidade da unidade hospitalar pós-pandemia, com foco em cirurgias eletivas.

“No momento mais crítico desta pandemia, nós estávamos lá, trabalhando. Graças a todos os parceiros, aos profissionais de saúde, conseguimos dar mais de 500 altas em 58 dias. Termos contribuído no momento mais difícil da saúde mundialmente nos dá muito orgulho. Embora seja um hospital de campanha, está preparado com tomografia, laboratório e todos os 180 leitos são equipados com a Cápsula Vanessa”, destacou Ricardo Nicolau, diretor do Grupo Samel e coordenador da unidade.

Diretor-presidente do grupo, Luís Alberto Nicolau ressaltou que o trabalho da Samel não se limitou à cidade de Manaus durante a pandemia, mas foi levado, gratuitamente, a 50 municípios do interior do Amazonas, a estados como Pará e Acre, e para fora do Brasil, como a Bolívia.

“Já conseguimos quase 1.500 altas diretamente sob nossa gestão, mas certamente foram milhares. Nós estamos à disposição para implantar nosso método, que agora já é reconhecido pela OMS [Organização Mundial de Saúde] e reconhecido pelo Ministério da Saúde. Inclusive, hoje, o próprio ministro, general Pazuello, falou que a nossa cápsula está disseminada pelo Brasil e pelo mundo”, pontuou.

HOSPITAL

Defendendo a manutenção da estrutura hospitalar de alta complexidade montada nos prédios originalmente destinados a uma escola municipal, o Grupo Samel anunciou que está elaborando um projeto contendo direcionamentos e recomendações técnicas para que o hospital de campanha, após a pandemia, passe a realizar procedimentos cirúrgicos planejados.

“Nós vamos deixar com a Prefeitura todo o projeto, todo o planejamento para a continuidade desse hospital, assim como os nossos protocolos já utilizados hoje. Nós defendemos a continuidade desse hospital para que seja transformado em uma unidade para cirurgias de baixa e média complexidade, o que eu tenho certeza que ajudará muito a saúde pública”, assegurou Ricardo Nicolau.

O prefeito Arthur Virgílio Neto confirmou, por meio de suas redes sociais, que a Prefeitura de Manaus vai assumir integralmente o gerenciamento do hospital de campanha municipal Gilberto Novaes, até que o último paciente internado com Covid-19 receba alta. O grupo Samel e instituto Transire, parceiros da prefeitura desde o primeiro momento da instalação do hospital, cuidam da transição na gestão da unidade. O hospital tem, aproximadamente, 90 pessoas internadas recebendo o tratamento.

GRATIDÃO

“Sou muito grato à Samel e ao instituto Transire, porque fizemos a diferença nesse período da pandemia, oferecendo o desafogo necessário ao sistema de saúde estadual que estava em colapso. Salvamos vidas, ajudamos a cidade em um momento muito difícil e a prefeitura assume, a partir daqui, até o momento que não sejam mais necessários os serviços do hospital de campanha”, afirmou o prefeito, completando que irá observar o cenário para tomar as decisões futuras quanto à manutenção ou não do hospital, dependendo da evolução ou involução da pandemia do novo coronavírus.

Em quase 60 dias de trabalho, foram mais de 500 altas. O hospital de campanha está em total condições de funcionamento, com os protocolos testados e definidos, pessoal treinado, equipamentos e com 180 leitos sendo 39 UTIs, todos equipados com a cápsula Vanessa, de respiração não invasiva. “No momento mais crítico dessa pandemia, estávamos trabalhando e, graças aos parceiros e trabalhadores da saúde, pudemos contribuir nesse momento difícil”, disse o até então coordenador do hospital, Ricardo Nicolau.

O grupo Samel sugeriu ao prefeito de Manaus que mantenha o hospital para cirurgias de baixa e média complexidade, inclusive encaminhando um projeto para o seu funcionamento. Arthur afirmou que considera a proposta muito boa e que vai avaliá-la, levando em conta o que a população pensa e também o contrato existente com o Banco Mundial, que disponibilizou os recursos para a construção de um complexo de educação com escola de ensino infantil e fundamental. O prédio onde funciona o hospital já estava pronto para ser inaugurado e integrado à rede municipal de ensino quando teve início a pandemia. Diante da ausência de leitos para receber os pacientes de Covid-19 na cidade, o prefeito decidiu transformá-lo em um hospital de campanha, com as parcerias da Samel e Transire.

“Foi a nossa forma de ajudar e o amor por Manaus nos moveu. Não era obrigação do prefeito, a minha obrigação era entrar com o Samu, com as UBSs, com a atenção primária. Mas entramos na esfera da média e alta complexidade porque era o que Manaus precisava desesperadamente naquele momento. E eu amo a minha cidade, o meu Estado, a minha região. Fiz o que era necessário e manteremos o hospital até a última alta”, garantiu Virgílio.

O prefeito destacou, ainda, a grande confiança da população de Manaus nos métodos e acolhimento do hospital de campanha. “As pessoas nos ligavam querendo levar seu parente para lá, porque sabiam que iriam receber um tratamento de primeira e essa experiência, que não foi uma aventura, deu seus frutos. Sempre serei grato, como pessoa e como prefeito, aos nossos parceiros”, disse o prefeito Arthur Neto, finalizando com a pensamento que o trabalho feito pelo hospital de campanha terá seu reconhecimento histórico.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta