Rotta recebe efetivos da Prefeitura para tratar de PCCV da categoria

O prefeito em exercício de Manaus, Marcos Rotta, assumiu o compromisso de interceder junto ao prefeito Arthur Neto, para tornar mais célere a tramitação do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV) dos servidores efetivos de área não específica, que está em estudo pela Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno (Semef). A promessa foi uma resposta à Associação dos Servidores Efetivos do Município de Manaus (Asemm), que se reuniu com Rotta na manhã desta quinta-feira, 12, na sede da prefeitura. “Vou tentar ser o advogado de vocês”, disse Rotta.

O presidente da Asemm, Lúcio Rocha, considerou o encontro positivo, à medida que o prefeito em exercício tomou conhecimento da situação de mais de 1.500 servidores, que estão sem reajuste no salário-base há mais de oito anos. “O prefeito foi muito receptivo e disse que vai pedir prioridade para a resolução do nosso caso. Estamos confiantes que a Prefeitura vai corrigir essa distorção que causa tanta insegurança aos servidores, além de ser injusta”, comentou.

A Asemm também informou ao prefeito Marcos Rotta que vai estar presente no próximo dia 6, na Câmara Municipal de Manaus, quando acontecerá a abertura dos trabalhos legislativos, a partir da leitura da mensagem do Executivo. “Será uma manifestação pacífica. O objetivo é lembramos o prefeito e os vereadores sobre a nossa situação e que estamos vigilantes em relação ao nosso PCCV”, explicou Rocha. Em resposta, Rotta disse que espera dar um retorno sobre a tramitação do PCCV antes do dia 6, o que eliminaria a necessidade da manifestação.

Ainda nesta quinta-feira, 12, à noite, a diretoria e membros da Asemm se reúnem, em sua segunda reunião de trabalho, para debater vários pontos da associação, entre eles, a estratégia de atuação dos servidores na abertura dos trabalhos da Câmara. “Os servidores da área não específica estão numa situação financeira insustentável, enquanto que outros, de outras áreas, estão obtendo reajustes e reposições salariais ano a ano. Queremos que o poder público trabalhe a isonomia entre os seus funcionários”, ponderou Rocha.

A Asemm é formada por servidores efetivos de área não específica, que ainda não possuem um PCCV. Sem reajustes desde 2008, o salário-base destes servidores está congelado em R$ 415,00, o equivalente ao salário-mínimo da época.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta