Ricardo vira principal alvo de ações no TRE-AM e de ataques nas redes e aplicativos

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O deputado estadual Ricardo Nicolau (PSD) está sob ataque desde o final de semana. Depois da divulgação das últimas pesquisas, que atestaram seu crescimento, ele passou a ser alvo de ações judiciais e de memes e vídeos espalhados pelas redes sociais e aplicativos de conversas. No Tribunal Regional Eleitoral a principal ação é da Coligação Juntos Podemos Mais (que reúne PODEMOS, MDB, PSL e Cidadania), que o acusa de abuso de poder econômico na campanha.
De acordo com a Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije), houve deliberada veiculação de campanha publicitária do Grupo Samel para favorecer Ricardo Nicolau. Uma tentativa de captação de poder político em benefício do candidato, a partir do uso do poderio econômico do conglomerado empresarial, desequilibrando o pleito e violando a norma eleitoral, “no esforço abjeto de transformar dinheiro em voto”.

De acordo com a Ação, a Justiça precisa proibir o uso de dinheiro de pessoa jurídica para beneficiar candidato a ela vinculada, a partir da realização dissimulada de propaganda eleitoral travestida de campanha publicitária empresarial, com abuso de poder econômico que pode desequilibrar o pleito, o que é proibido pela legislação eleitoral.

Segundo a denúncia, a publicidade da Samel, “disfarçada de propaganda comercial”, é deliberadamente usada para beneficiar econômica e eleitoralmente o candidato do grupo, de forma ilícita, com o objetivo de atingir o eleitorado em proporções maiores que os demais concorrentes, causando desequilíbrio no pleito. “É propaganda eleitoral oculta, dissimulada e subliminar, em sites, outdoor e outros meios, para desequilibrar o pleito, com uso de recursos não contabilizados em campanha”, diz a coligação.

“De maneira deliberadamente coordenada com a massiva campanha de divulgação do Grupo Samel, o investigado Ricardo Nicolau passou a direcionar majoritariamente sua propaganda eleitoral à divulgação da montagem desse hospital de campanha, como se fosse realização sua, com a finalidade de que o eleitorado passe a associar o Grupo Samel ao candidato Ricardo Nicolau e vice-versa”, diz a Ação.

A Ação diz, ainda, que o comportamento do candidato e do Grupo Samel ocorre de maneira deliberadamente coordenada. “Essa coordenação de comportamento entre o candidato e o Grupo Samel não ocorre por mera coincidência, mas é clara forma de beneficiar campanha eleitoral do irmão do sócio majoritário do Grupo Samel, desequilibrando o pleito em favor da candidatura de Ricardo Nicolau, através da prática de abuso de poder econômico”, afirma.

Diz, também, que o investigado Ricardo Nicolau tem sido, de maneira reiterada, beneficiado eleitoralmente por realização de propaganda eleitoral subliminar realizada pela empresa de sua família, mediante a divulgação massiva de outdoor, banners em vários pontos da cidade.

A ação, com quase 100 páginas, incluindo diversas provas das denúncias, requer a abertura de investigação judicial eleitoral para apurar uso indevido, desvio e abuso do poder econômico em benefício de Ricardo Nicolau, a concessão de medida de urgência inibitória para que os investigados cessem imediatamente o comportamento ilícito e coordenado em benefício do candidato e, por fim, comprovados os fatos, a aplicação da sanção de cassação do registro ou do diploma ao candidato e declaração de inelegibilidade por 8 anos de todos os investigados.

Na internet

Uma variedade enorme de vídeos, memes e textos foi veiculada neste final de semana, atacando Nicolau. Até mesmo postagens antigas e reportagens das polêmicas em que ele esteve envolvido ao longo da longa carreira política voltaram à tona.

Qual Sua Opinião? Comente:

Este post tem um comentário

  1. ELIZABETE VASCONCELOS DE MENEZES

    Imaginar que alguém acredite em “bondade” de adversários em campanha eleitoral, só pode ser piada. Todos os passos são vigiados com lupa. Mesmo assim, a tentação é grande para embarcar na esperteza e, sabe-se lá por que motivo, tem gente que arrisca. Se colar…

Deixe uma resposta