Receita bloqueia as contas de Rio Preto e prefeito tenta administrar o caos deixado pelo antecessor

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

prefeito ernani

O prefeito em exercício de Rio Preto da Eva, Ernani Nunes Santiago, está em Manaus desde as primeiras horas de hoje tentando fazer um balanço da real situação financeira do município, depois de ser surpreendido ontem pelo bloqueio das contas da prefeitura pela Receita Federal, por causa do atraso no pagamento de um parcelamento que havia sido acertado pelo prefeito afastado Luiz Ricardo Chagas.

Desde que assumiu, na segunda quinzena de junho, Ernani vem administrando o caos. Neste momento seu auxiliar mais importante é o procurador do município, Ricardo Gomes, a quem coube até agora o desbloqueio das contas – não é a primeira vez que acontece –, a negociação com os servidores, que estavam há quatro meses com os salários atrasados, e a apresentação de denúncias contra o prefeito afastado em várias esferas – Tribunais de Contas, Ministério Público e Controladoria da União, por exemplo.

As administrações recentes praticamente inviabilizaram Rio Preto, especialmente a de Ricardo, que em dois anos e meio mergulhou o município numa crise sem precedentes.

Para piorar a situação, existem movimentos nas redes sociais tentando inviabilizar a administração do prefeito em exercício. São pessoas que fazem consultas simplórias ao portal da transparência do Banco do Brasil, para verificar os repasses do Fundo de Participação dos Municípios, e fazem ilações sobre como deveria ser aplicado o dinheiro, com base exclusivamente em seus interesses pessoais, sem considerar o pagamento de tributos sobre as receitas, as retenções e a Lei de Responsabilidade Fiscal.

“Foi isso que eu herdei, infelizmente: uma cidade mergulhada no caos financeiro e político, aonde há muito o que fazer e muito o que acalmar”, diz Ernani, que tenta administrar Rio Preto apostando no Ministério Público e na Justiça como seus verdadeiros aliados para tentar recolocar a cidade no caminho da normalidade financeira e jurídica. Isso porque a Câmara Municipal simplesmente se recusa a investigar a fundo os desmandos do prefeito afastado e não colabora para a normalização da situação.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta