Projeto de Cidade pretende incentivar negócios com grande impacto social

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

Tramita na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), o Projeto de Lei nº 140/2021, de autoria do presidente da Casa, deputado Roberto Cidade (PV), que pretende criar um programa de incentivo e estímulo ao empreendedorismo e negócios de impacto social.

De acordo com a propositura, ficará a cargo da Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam) o financiamento para a criação de empreendimentos, os quais promovam serviços que atendam o bem comum nas áreas de saúde, educação, habitação e preservação do meio ambiente.

Conforme Roberto Cidade, Estados como São Paulo e Santa Catarina já promovem esse tipo de incentivo e colhem frutos, sobretudo nos municípios mais distantes da Capital.

“A implementação desse incentivo resulta em grandes benefícios à população, gerando empregos, capacitação profissional, acesso a tratamentos de saúde, preservação do meio ambiente, entre outras oportunidades, as quais nem sempre são asseguradas pelo Poder Público. Infelizmente, o Estado não é capaz de chegar a todos os locais, e nos lugares mais distantes, a figura do empreendedor social se torna mais importante”, destacou.

Segundo texto do PL, os negócios de impacto social vão ser desenvolvidos por pessoas físicas, empreendedores individuais, pessoas jurídicas – com e sem fins lucrativos -, cooperativas e organizações da sociedade civil. Ainda segundo a propositura, as instituições sociais que serão criadas não têm, como principal objetivo, a obtenção de lucro, mas agregar valor à sociedade ou à comunidade na qual se estabeleçam.

Exemplos

Um dos exemplos de empreendimento social é o “Programa Sumá”, uma plataforma que conecta agricultores do estado de Santa Catarina a compradores frequentes de alimentos orgânicos. Outro negócio de impacto social que já é uma realidade no Brasil é o “Egalitê”,o qual visa à inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho por meio de um banco automatizado de recursos humanos.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta