Profissionais homenageados e memorial de vítimas da Covid-19 inaugurado

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on print

No segundo dia de celebrações dos 70 anos do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM), o presidente da Corte de Contas, conselheiro Mario de Mello, prestou homenagem aos profissionais da saúde que estiveram (In Memoriam) e ainda estão na linha de frente do combate à Covid-19. Na solenidade, foram homenageados mais de 845 profissionais de Saúde. Como forma de homenagear as vítimas da Covid-19, foi também inaugurado um monumento nas dependências do órgão.
“Neste cenário de guerra, só que contra um inimigo invisível e letal, sobressaíram-se os profissionais da saúde, como médicos, enfermeiros, assistentes de enfermagem, fisioterapeutas, farmacêuticos, nutricionistas, psicólogos e também todo o pessoal de apoio administrativo dos hospitais, na linha de frente do combate ao coronavírus, honrando o juramento que fizeram, e expondo-se sem medo à enfermidade que, infelizmente, abateu e tirou alguns desses heróis de nosso convívio”, afirmou o presidente do TCE-AM, Mario de Mello.

Estavam presentes na solenidade a coordenadora-geral da Escola de Contas Públicas do TCE-AM, conselheira Yara Lins dos Santos, o auditor Luiz Henrique Mendes, além do reitor da Fundação Universidade da Terceira Idade,Euler Ribeiro, e da Dra Cyrlane da Silva Santos, que ministraram palestras sobre a importância da prevenção à Covid-19 e os cuidados com a saúde mental.

Honra ao mérito sem aglomeração

Os profissionais indicados pelas associações e sindicatos da categoria receberam um Diploma de Honra ao Mérito pelos serviços prestados à saúde pública do Estado do Amazonas.

Para evitar aglomeração, alguns profissionais foram convidados para receber a homenagem no auditório do TCE-AM e os demais receberão o Diploma de Honra ao mérito em suas residências.

Além do corpo técnico de profissionais de Saúde que atuam no TCE-AM como a diretora de Saúde do Tribunal, Camila Bandeira de Oliveira David, e os médicos Erica Fernandes da Silva e João Marcos Bemfica, entre os demais condecorados estão o médico Sidney Chalub. Foram homenageados, in memoriam, os médicos Carlos Roberto de Medeiros, Rangel Ruiz e Eduardo Lass Alves.

“Hoje reconhecemos essas pessoas que se doaram em prol dessa causa no exercício de suas profissões, ajudando a salvar vidas, ainda que para tanto, tenham de sacrificar-se. Cumpre a mim, não deixar que a luta heroica que os profissionais de saúde do Amazonas até aqui travaram seja em vão, eles nos deram as suas vidas e, com elas, a oportunidade de rever tudo aquilo que fazíamos, a chance de começar de novo, de unir o país e construir um amanhã melhor, mais justo e solidário”, ressaltou o presidente da Corte de Contas, conselheiro Mario de Mello.

Durante a solenidade – transmitida ao vivo pelas redes sociais do TCE-AM –  também foi transmitido um vídeo em homenagem aos servidores da saúde que faleceram durante o enfrentamento ao novo coronavírus, entre eles médicos, enfermeiros, socorristas e militares.

Monumento

A homenagem foi idealizada pelo presidente do TCE-AM, conselheiro Mario de Mello, que aproveitou as solenidades em comemoração ao aniversário de 70 anos da Corte de Contas para expressar as condolências às vítimas e o sentimento de gratidão àqueles que estão nessa árdua missão de combate ao novo Coronavírus.

Ao prestar homenagens às famílias das vítimas, o presidente, de forma emocionada, falou sobre o legado deixado por àqueles que perderam as vidas para a Covid-19.

“Nós não nascemos para morrer, morremos para renascer. Se morremos aqui, é apenas para provar que vivemos. Nossa viagem continua, agora nas dimensões azuis da eternidade celestial” destacou o presidente do TCE-AM, Mario de Mello.

Dentre os quase 40 profissionais de saúde homenageados no monumento, seis perderam as vidas no combate à Covid-19: Gecilda Albano Peçanha, assistente social da Semasc; e os médicos Carlos Roberto de Medeiros, Juarez Klinger do Areal Souto, Raimundo Ferreira Rodrigues, Rangel Alves Ruiz e Rodolfo Walter Garcia Arimendi.

O monumento traz consigo a escrita “Navegar é preciso, viver não é preciso”, frase que se tornou famosa em poesia de Fernando Pessoa. A idealização do monumento em forma de barco remete à saga dos viajantes do tempo e da vida, simbolizando a ida daqueles que faleceram.

Com a colaboração do renomado arquiteto Sérgio Santos e equipe, o monumento é constituído das madeiras reutilizadas Itaúba, Maçaranduba, Tauari e Louro Preto, materiais de grande valor histórico para o estado, fazendo alusão ao barco conhecido como “Cristo Rei”.

A inauguração do monumento contou com transmissão ao vivo das redes oficiais da Corte de Contas. A solenidade foi transmitida pelo Facebook.

Qual Sua Opinião? Comente:

Deixe uma resposta